Somente nos dois primeiros meses deste ano, já foram registrados mais de 1 milhão de casos de dengue no Brasil. Segundo dados do Ministério da Saúde divulgados na quinta-feira (29) já são 1.017.278 ocorrências, com 214 mortes e outras 687 em investigação para determinar a causa do óbito. 

Continua depois da publicidade

Apesar dos esforços de conscientização, há muito que as pessoas ainda desconhecem sobre a doença e, por isso, convidamos uma especialista do Hospital Santa Catarina de Blumenau para esclarecer dúvidas 

Conheça o Hospital Santa Catarina de Blumenau

Entre dicas habituais, como cuidar com a água parada e limpar vasos e calhas, há algumas orientações menos “comuns”, digamos, sobre a dengue e o Aedes aegypti — mosquito transmissor do vírus. A médica infectologista Fernanda Arns de Castro, do HSC Blumenau, explica elas e esclarece dúvidas que envolvem a doença. Confira:

Aedes aegypti tem listras brancas nas patas que ajudam a identificá-lo (Foto: Canva)

Repelentes duram entre quatro e 12 horas

“Cada repelente tem um prazo de efeito. Os que menos têm ação duram quatro horas, e os com maior duração, 12 horas. Por isso, é bem importante ficar atento ao tempo descrito na embalagem, para se manter sempre protegido. Os repelentes com Icaridina 20-25%, DEET 10-15% e IR3535 têm ação mais prolongadas, sendo necessárias três reaplicações em adultos e duas em crianças.”

Continua depois da publicidade

Não se passa repelente antes de dormir

“Não. O máximo de indicação de uso de repelente é  de três vezes ao dia, sendo importante o banho antes de dormir para a retirada do produto da pele, para evitar riscos de intoxicação. Cuide do ambiente para manter a área livre de mosquitos. Uso de venenos, tela nas janelas podem auxiliar bastante.”

Repelente deve ser passado apenas em áreas descobertas

“Devemos passar repelente apenas nas áreas descobertas, cuidando para não passar em mucosas – olhos, nariz, boca –, e sempre lavando as mãos após a aplicação. Caso tenha a necessidade de usar cremes hidratantes ou protetor solar, o repelente deve ser aplicado por último, com um intervalo de pelo menos 15 minutos.”

Picada do mosquito da dengue não coça e nem deixa marcas

“O mosquito Aedes aegypti é bem menor do que o pernilongo e tem como característica as pernas listradas preto e branco. Ele tem preferências por áreas urbanas, não consegue voar distâncias muito maiores que 200 metros, bem como grandes alturas. A picada do mosquito da dengue não costuma deixar marcas nem coceiras.

Mesmo pequeno, Aedes pode transmitir várias doenças como dengue, zika e chicungunha (Foto: Canva)

A larva do mosquito sobrevive mais de um ano sem água

“Estima-se que a larva do mosquito possa sobreviver por até 400 dias sem contato com a água e voltar ao seu desenvolvimento a partir do contato.”

Continua depois da publicidade

Sintomas da dengue são diferentes em adultos e crianças

“As crianças, pela sua fragilidade, podem apresentar quadros mais graves de dengue, até pela dificuldade de fazer com que tenham a ingestão adequada de líquidos. Por isso, é extremamente importante o uso de repelente não só nas crianças, mas também nos responsáveis.”

Adultos têm de tomar uma quantidade de água por quilo

“A hidratação deve ser de 60 a 80 mililitros por quilo durante o dia, sendo que um terço dessa quantidade deve ser de soro de reidratação oral, e o restante de outros líquidos. É importante lembrar que refrigerantes e bebidas alcoólicas não entram nessa quantidade.”

Bônus: Aedes pode nascer já infectado

Um estudo da Universidade Federal de Goiás (UFG) mostrou que os ovos do Aedes aegypti já nascem com o vírus da dengue quando a fêmea picou uma pessoa infectada. Isso significa que nem sempre uma pessoa precisa estar com o vírus para ser picado e, então, infectar outros.

Leia também

Leucemia: quais os sintomas, fatores de risco, tipos e como tratar a doença

Varizes: o que são, quando preocupam e como tratar

Quais os sintomas de HIV e quando procurar um teste

O Hospital Santa Catarina de Blumenau é referência no Estado e conta com uma equipe de especialistas em diversas áreas da Medicina. Fundado em 1920 pela Comunidade Luterana do município, o hospital possui hoje 152 leitos de internação em uma área de mais de 21 mil metros quadrados. O HSC Blumenau possui infraestrutura de CTI Adulto, UTI Neonatal e Pediátrica, clínica de saúde mental, salas cirúrgicas e uma equipe com mais de mil colaboradores.

Continua depois da publicidade

Destaques do NSC Total