O ano era 2020, e o mundo ainda tentava entender os desafios que o coronavírus traria para a população, enquanto a Covid-19 se espalhava por cada canto. No dia 17 de março daquele ano, Santa Catarina contava com sete casos confirmados da doença e mais de 200 suspeitos. Foi com esse cenário que o Estado decretou situação de emergência por conta da doença e restringiu uma série de atividades para diminuir o contágio. No dia seguinte, ruas amanheceram vazias com o fechamento de comércios e a suspensão do transporte público.

Continua depois da publicidade

Saiba como receber notícias do NSC Total no WhatsApp

O decreto nº 515, assinado pelo então governador Carlos Moisés (Republicanos), ordenou a suspensão da circulação de veículos de transporte coletivo, atividades de restaurantes e comércios e das aulas nas redes pública e privada. Com o passar dos meses e a mudanças no cenário, as medidas foram alteradas.

Pandemia de Covid-19 deve terminar ainda em 2023, alertam especialistas

Três anos depois, o cenário é diferente. Com o avanço da vacinação, o número de casos de doença — que chegou a ter recordes de mortes por conta da infecção — diminuiu. De acordo com dados da Secretaria de Estado de Saúde, até esta sexta-feira (17), 1.996.739 casos foram confirmados com 22.709 mortes. Além disso, 2.505 seguem em tratamento da doença.

Continua depois da publicidade

Para especialistas, os últimos anos trouxeram diferentes aprendizados ao Estado, principalmente no que diz respeito a saúde pública. Porém, em outros pontos, faltaram medidas que poderiam ter contribuído para um maior controle da Covid-19.

A dimensão de uma pandemia

Para o médico infectologista Tarcisio Crocomo, a pandemia mostrou o quanto uma doença transmissível pode afetar o dia a dia das pessoas e a importância de ficar atento a possibilidade da chegada de novos vírus.

— Apesar da pandemia de 2009 da H1N1, que foi de conhecimento de todos, essa atual foi muito mais grave mostrando esses efeitos deletérios numa intensidade muito maior. Por isso é importante a ação responsável dos humanos com o ambiente, pois existe essa relação com a possibilidade de vírus que circulam entre animais e acometerem humanos e, a partir daí, humanos transmitirem para seus pares, residindo aí o risco de iniciar um surto com maior possibilidade de se tornar pandêmico — pontua.

A epidemiologista e presidente da Comissão de Monitoramento Epidemiológico da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Alexandra Boing, salienta quem, apesar disso, os governos perderam a oportunidade de aumentar a vigilância sobre o assunto.

Continua depois da publicidade

— Perdemos a oportunidade de melhorar e qualificar nossos registros, nossas equipes de vigilância, nossa comunicação junto à população, inclusive combatendo fake news, não avançamos em estratégias de vacinação e de melhoria da qualidade do ar/ventilação nos ambientes — explica.

O poder da ciência e a importância do SUS e dos profissionais da saúde

Outro ponto apontado pelos especialistas é de que a Covid-19 também mostrou a importância da ciência. Um dos maiores exemplos esta na vacinação, já que com ela foi possível controlar a doença, principalmente as formas mais graves.

A pandemia também ressaltou a importância do Sistema Único de Saúde (SUS) e do trabalho dos profissionais de saúde no atendimento dos pacientes, principalmente nos momentos de maiores dificuldade.

— O SUS com sua capilaridade conseguiu realizar tão nobre tarefa pelos seus colaboradores incansáveis na proteção a população, mesmo com as suas conhecidas dificuldades — destaca o infectologista Tarcisio Crocomo.

Continua depois da publicidade

Vacinação continua sendo o melhor caminho

Após dois anos, a pergunta que ainda fica é quando a pandemia vai, de fato, acabar. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a queda no número de internações e o aumento na cobertura vacinal podem influenciar para que o cenário epidêmico termine ainda em 2023. Apesar disso, especialistas apontam que a imunização continua sendo a melhor forma de combate.

— Manter o calendário vacinal em dia. Não só contra a Covid, mas de todas as doenças que podem ser prevenidas por imunização, haja vista a queda de aderência as vacinas nos últimos tempos e reaparecimento de doenças anteriormente controladas — explica o infectologista Tarcisio Crocomo.

De acordo com a Diretoria de Vigilância Epidemiológica do Estado (Dive), a vacinação evitou milhares de casos graves e óbitos. O impacto foi confirmado com a chegada das novas variantes em Santa Catarina, quando o Estado registrou estes números menores do que os apresentados no início da pandemia. 

Para o órgão, a transparência dos dados aliado a políticas públicas baseadas na ciência trouxeram um melhor desempenho para o sistema de saúde catarinense, o que motivou a “estruturação e fortalecimento de hospitais e unidades de saúde no processo de diagnóstico clínico e emergencial”.

Continua depois da publicidade

Mesmo frente à sobrecarga dos sistemas de saúde, o desafio da comunicação, de acordo com a Dive, foi fortalecer as informações oficiais e precisas em um esforço conjunto de órgãos e entidades, na também desmistificação das fake news relacionadas à doença.

Leia também:

Com Zé Gotinha, Lula lança campanha e é vacinado contra covid por Alckmin

Entenda o que é a vacina bivalente contra a Covid-19

Destaques do NSC Total