A noite desta sexta-feira (21) foi presenteada com um fenômeno especial para quem olhar para o céu. As inclinações da lua e da Terra estarão em seus pontos máximos, o que fez com que o satélite natural fique mais tempo no céu. É o que os astrônomos chamam de “lunistício” ou grande “paralisação lunar”.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

O fenômeno foi visível somente no Hemisfério Norte, dependendo das condições atmosféricas. Assim, não foi possível ver a paralisação lunar, ou lunistício, do Brasil.

Lunistício: entenda o que é o raro fenômeno lunar e se será visível no Brasil

Contudo, o English Heritage, organização inglesa que atua na preservação de prédios e monumentos históricos, além de sítios arqueológicos na Inglaterra, fez uma transmissão ao vivo do fenômeno, direto do Stonehenge.

Continua depois da publicidade

Clique aqui e assista como foi a transmissão ao vivo

O sítio arqueológico é conhecido por ter conexão com o solstício de verão, que ocorreu nesta quinta-feira (20), já que parte dele estaria alinhado ao local em que o sol nasce nesse dia em específico. Porém, cientistas investigam, também, se há alguma ligação entre a grande “paralisação lunar” e a própria construção de Stonehenge.

Há hipóteses de que quem construiu a estrutura teria conhecimento sobre o fenômeno no céu e por isso teria feito o local de forma que a linha se alinhe às pedras quando o fenômeno ocorre.

A lua nasceu no ponto mais a nordeste do horizonte e irá se pôr na posição mais a noroeste. Isso acontece por conta da inclinação do planeta e do satélite natural, e faz com que a lua passe mais tempo do que o normal no céu.

A observação do lunistício depende da latitude em que a pessoa está e por isso pode não ser visível em diferentes pontos. Também por conta dessa condição, a paralisação lunar pode ser observada em outros dias, se estendendo até o próximo ano.

Continua depois da publicidade

Como a grande “paralisação lunar” ocorre?

A inclinação da trajetória da lua tem uma inclinação diferente dos demais planetas e asteroides do sistema solar, que orbitam em um plano que se chama eclíptica. Como a Terra gira em torno de um eixo inclinado a 23,4 graus em relação a esse plano, a lua tem inclinação de somente 5,1 graus em relação à ele.

Por conta disso, os pontos de nascer e pôr da lua variam em 57 graus durante o ano. Na inclinação máxima dos dois corpos celestes, Lua e Terra, ocorre a grande paralisação lunar, com o nascer e pôr da lua atingindo seus pontos mais extremos no horizonte.

Veja como foi eclipse solar total, visível no Hemisfério Norte em abril

Leia também

Solstício de inverno: entenda por que esta quinta-feira é o dia mais curto do ano

Destaques do NSC Total