A defesa da mulher que levou um cadáver em uma cadeira de rodas para tentar fazer um empréstimo de R$ 17 mil em uma agência bancária de Bangu, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, disse que o idoso chegou vivo à agência. Identificada como Erika de Souza Vieira Nunes, ela foi presa em flagrante por tentativa de furto mediante fraude e vilipêndio de cadáver. As informações são do g1

Continua depois da publicidade

Entre na comunidade exclusiva de colunistas do NSC Total

— Os fatos não aconteceram como foram narrados. O senhor Paulo chegou à unidade bancária vivo. Existem testemunhas que no momento oportuno também serão ouvidas. Ele começou a passar mal e depois teve todos esses trâmites. Tudo isso vai ser esclarecido e acreditamos na inocência da senhora Erika — declarou a advogada Ana Carla de Souza Correa.

Entretanto, conforme o delegado Fábio Luiz, o idoso identificado como Paulo Roberto Braga, de 68 anos, já estava sem vida quando chegou à agência. 

WhatsApp caiu? Usuários relatam instabilidade no aplicativo nesta quarta-feira

Continua depois da publicidade

— As pessoas do banco acharam que ele estivesse doente, passando mal, e chamaram o Samu. O médico do Samu, ao chegar no local, constatou que ele estava em óbito. E aparentemente, há algumas horas. Ou seja, ele já chegou morto ao banco — falou. 

Veja o vídeo

Na delegacia, a mulher disse que sua rotina era cuidar do tio, que estava debilitado. A polícia apura se ela é mesmo parente dele e se cometeu furto mediante fraude ou estelionato. O corpo do idoso foi levado para o Instituto Médico Legal.

— O principal é: a gente continuar a investigação pra gente identificar demais familiares e saber se, quando esse empréstimo foi realizado, ele estava vivo, qual é a data desse empréstimo — explicou o delegado.

Conversa com o cadáver

Um vídeo, feito pelas atendentes do banco, mostra a mulher tentando manter a cabeça do homem reta, usando a mão e conversando com o suposto parente.

Continua depois da publicidade

— Tio, tá ouvindo? O senhor precisa assinar. Se o senhor não assinar, não tem como. Eu não posso assinar pelo senhor, o que eu posso fazer eu faço — afirma a mulher.

Ela mostra o documento e afirma que ele tinha que assinar da forma que estava ali e diz:

— O senhor segura a cadeira forte para caramba aí. Ele não segurou a porta ali agora? — pergunta às atendentes, que dizem não ter visto. — Assina para não me dar mais dor de cabeça, eu não aguento mais — completa.

Nesse momento, as funcionárias tentam intervir e uma delas comenta sobre a palidez do homem:

— Ele não está bem, não. A corzinha não tá ficando…

— Mas ele é assim mesmo — responde a suposta sobrinha. — Ele não diz nada, ele é assim mesmo. Tio, você quer ir para o UPA de novo?

A polícia vai investigar como o idoso morreu.

Leia mais

Entenda os motivos para o alto preço dos aluguéis em Florianópolis

Patê de Ovas de Tainha é destaque em feira gratuita em Florianópolis

Destaques do NSC Total