nsc
dc

Saúde

Pedido de suspensão de Pfizer para SC gera polêmica diante de desabastecimento de cidades

Joinville, Blumenau e Xanxerê paralisaram a aplicação do imunizante por falta de doses enquanto governo de SC solicitou o cancelamento do envio de novas doses à União

22/12/2021 - 13h16 - Atualizada em: 22/12/2021 - 14h12

Compartilhe

Catarina
Por Catarina Duarte
Eduarda
Por Eduarda Demeneck
Estado diz ter estoque com mais de 600 mil vacinas
Estado diz ter estoque com mais de 600 mil vacinas
(Foto: )

A distribuição da Pfizer enfrenta uma polêmica em Santa Catarina. O pedido de suspensão temporária para o envio de novas doses pelo Estado ao Ministério da Saúde, contrasta com a situação que vivem alguns municípios como Joinville, Blumenau e Xanxerê. Nas cidades há a vacinação com o imunizante está paralisada após os estoques serem zerados.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

O Estado decidiu suspender temporariamente o pedido para o envio da Pfizer pelo Ministério da Saúde. A decisão, segundo o Estado, acontece pelo grande número de doses armazenadas pela Secretaria de Estado da Saúde (SES).

As prefeituras de Blumenau e Joinville justificam que a falta do imunizante se deu após a diminuição do intervalo entre a segunda dose e o reforço. Isso gerou aumento na procura pela vacina. Ambos municípios disseram já ter solicitado novas doses ao Estado. A previsão é que a entrega aconteça ainda nesta semana.

Já Xanxerê vive uma situação diferente. O município não começou a aplicar a dose de reforço com intervalo de quatro meses. Segundo a prefeitura, isso só deve acontecer em janeiro, porque não há doses suficientes. Uma remessa da Pfizer é aguardada para quinta-feira (23) e deve ser usada na imunização de adultos e adolescentes.

Em Florianópolis, Lages, Criciúma e Chapecó, há estoque do imunizante. Na maior cidade do Oeste, são 3 mil doses armazenadas e a expectativa é que mais 4 mil sejam enviadas até o fim da semana.

Em entrevista à NSC TV, o diretor de Vigilância Epidemiológica no Governo do Estado (DIVE-SC), Eduardo Macário, justificou a suspensão temporária alegando que o estoque estadual está cheio. Segundo ele, são 604 mil vacinas armazenadas na Rede Estadual de Frio.

— Não foi uma paralisação, mas sim nós suspendemos temporariamente o pedido de novas doses ao Ministério da Saúde porque nós estamos totalmente abastecidos até o final do mês — disse Macário.

Ele reconheceu que a mudança no intervalo da dose provocou uma demanda maior por vacinas. Em caso de necessidade, disse Macário, a possibilidade de pedir mais doses ao Ministério da Saúde.

— Vários municípios solicitaram doses a mais para justamente cobrir essa população. Estamos aguardando para na eventualidade fazermos a solicitações ao Ministério da Saúde, que se colocou disponível — afirmou.

SES vai mandar mais vacinas do estoque

Em nota, a SES informou que as vacinas contra a Covid são distribuidas semanalmente aos municípios. A última distribuição ocorreu na terça-feira (21) totalizando 61.657 doses para aplicação de D1, D2 e DR.

Nesta quarta, segundo a SES, serão distribuidas 83.178 doses para aplicação de D1, D2 e DR atendendo todas as solicitações recebidas. Uma nova distribuição está marcada para a próxima terça-feira (28). 

"Considerando que o Estado conta com vacinas armazenadas na Central Estadual da Rede de Frio, existe quantitativo suficiente para atender às solicitações das Secretarias Municipais de Saúde, mesmo com a redução do intervalo da aplicação da dose de reforço. Entretanto, permanece o acompanhamento diário dos estoques e, tão logo seja necessário, o Estado solicitará a retomada dos envios por parte do Ministério da Saúde", disse a SES em nota. 

11 estados também suspenderam 

Além de Santa Catarina, outros 11 estados e o Distrito Federal também pediram a suspensão temporária do envio de doses. São eles: Amazonas, Acre, Tocantins, Piauí, Bahia, Sergipe, Paraíba, Pernambuco, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Mato Grosso.

A vacina da Pfizer é usada atualmente na vacinação contra Covid-19 para adultos, adolescentes e como dose de reforço. Na última semana, o fabricante recebeu autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para ser aplicada também em crianças de 5 a 11 anos.

Esse imunizante precisa ser armazenado em uma temperatura controlada entre 2ºC e 8ºC e tem validade de até 30 dias.

Leia também 

Primeiro caso da variante Ômicron em SC é confirmado

Covid mata mais crianças em SC do que outras doenças preveníveis com vacina em 20 anos

Governo Bolsonaro tem novo prazo para explicar sobre vacinação contra Covid em crianças

Colunistas