nsc

Segurança

Com infestação de formigas e furto de fios, semáforo do Titri fica sem funcionar em Florianópolis

Cruzamento foi bloqueado por cones e trânsito é orientado por agente da Guarda Municipal

23/12/2020 - 07h26 - Atualizada em: 23/12/2020 - 08h44

Compartilhe

Juliana
Por Juliana Gomes
GMF dá apoio ao tráfego no local
GMF dá apoio ao tráfego no local
(Foto: )

O semáforo do Terminal de Integração do bairro Trindade (Titri) em Florianópolis amanheceu sem funcionamento nesta quarta-feira (23). De acordo com a Diretoria de Operações de Trânsito (Diope), uma infestação de formigas e o furto de fios podem ter causado o problema. 

Este é o terceiro furto regitrado nos últimos 45 dias no mesmo equipamento. De acordo com o chefe da Diope, Fabrício Justino, uma infestação de formigas na caixa do controlador semáforico pode ter contribuído para que vários componentes fossem queimados. 

Furto de fiação deixa semáforo sem funcionar na Avenida Beira-mar Norte Furtos de fiação pública em Florianópolis motivam projeto para endurecer pena no país

Com o problema, o cruzamento foi fechado por cones pela Guarda Municipal, que alerta para que os motoristas redobrem a atenção ao circular pela região. A Diope informou por volta das 9h10 que trocou a fiação do semáforo, mas houve um curto-circuito na caixa de fornecimento das Centrais Elétricas de Santa Catarina (Celesc). 

Com isso, não há previsão de quando o semáforo voltará a funcionar. A Celesc foi acionada para fazer o conserto. 

O furto mais recente havia sido registrado no dia 16 de dezembro, quando a Diope contabilizou 550 metros de fios de cobre furtados em 2020 na capital. Nesta quarta, a Diretoria estima que ao menos 50 metros de fios tenham sido furtados. Para a NSC TV, a prefeitura informou que vai instalar duas câmeras no local. 

Para inibir casos como esses, como informou a coluna de Renato Igor, o deputado federal Hélio Costa (Republicanos -SC) protocolou um projeto de lei que prevê o aumento das penas para crimes de furto, de roubo e de receptação de bens públicos destinados ou provenientes da rede de fornecimento de iluminação pública. A pena, de acordo com a proposta do deputado, é de reclusão de 4 a 10 anos e multa.

Colunistas