nsc
hora_de_sc

Estimação

Perder um pet é tão difícil quanto perder um familiar, diz estudo

Cada vez mais as pessoas encaram os cachorros como membros da família

08/11/2021 - 10h30 - Atualizada em: 25/11/2021 - 05h56

Compartilhe

Metrópoles
Por Metrópoles
vínculos estabelecidos entre tutores e cachorros são tão sólidos quanto as conexões entre parentes humanos
Vínculos estabelecidos entre tutores e cachorros são tão sólidos quanto as conexões entre parentes humanos
(Foto: )

Quem já conviveu com um cachorro e teve que encarar o momento da despedida sabe que esta é uma situação muito dolorosa. Nas últimas décadas, os peludos deixaram de ser mera propriedade, para defesa ou companhia, e passaram a ser vistos como membros da família. A perda é sempre difícil.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

O que milhões de pessoas já perceberam no seu cotidiano foi confirmado cientificamente. Um estudo publicado no Journal of The Human Behavior and Evolution, um periódico científico de acesso aberto publicado pela Universidade de Miami (EUA), revela que a morte de um cachorro gera tanto sofrimento quanto a de um membro humano da família.

O jornal é uma publicação bimestral editada pela Human Behavior and Evolution Society, uma sociedade acadêmica internacional voltada para as ciências humanas e biológicas, cujos pesquisadores usam a Teoria da Evolução para entender a natureza humana – incluindo as adaptações emocionais, cognitivas e sexuais.

Depois de acompanhar milhares de tutores e seus pets por mais de uma década, o jornal publicou as primeiras conclusões em 2019. Desde então, as publicações vêm sendo revisadas e atualizadas pelos membros da sociedade acadêmica.

A pesquisa concluiu que os vínculos estabelecidos entre tutores e cachorros são tão sólidos quanto as conexões entre parentes humanos. As reações orgânicas disparadas pela interação com os peludos são idênticas às que ocorrem entre pais e filhos, por exemplo.

Um dos aspectos metabólicos da afeição entre cachorros e humanos é a produção da ocitocina. Conhecida popularmente como hormônio do amor, a ocitocina está relacionada à produção de leite materno e, por extensão, aos vínculos formados entre mães e seus bebês.

*Leia mais no Metrópoles, parceiro do NSC Total.

Acesse também:

Cães distinguem palavras e entonações, aponta estudo

Tatá Werneck diz que Paulo Gustavo cuidará de Marília Mendonça

Cantor Leonardo compra apartamento milionário em SC; veja fotos

Colunistas