nsc
dc

Política

PF indicia Renan Calheiros por propina de R$ 1 milhão da Odebrecht

O relator da CPI nega as acusações e aponta uso da PF para impedir avanço das investigações contra o governo: "Não irei me intimidar"

03/07/2021 - 16h45 - Atualizada em: 03/07/2021 - 20h10

Compartilhe

Metrópoles
Por Metrópoles
Senador é relator da CPI da Covid-19 e se tornou adversário do presidente Jair Bolsonaro
Senador é relator da CPI da Covid-19 e se tornou adversário do presidente Jair Bolsonaro
(Foto: )

A Polícia Federal indiciou o senador Renan Calheiros (MDB-AL) pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Em documento enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF), a PF informou que o senador recebeu R$ 1 milhão em propina da empreiteira Odebrecht, em troca do apoio a um projeto do interesse da empresa no Senado. O pagamento da propina teria ocorrido em 2012, quando Renan era presidente da Casa.

> Acesse para receber notícias de Santa Catarina por WhatsApp

Atualmente, o senador é relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 e se tornou adversário do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

De acordo com a PF, a propina teria sido paga em referência ao Projeto de Resolução do Senado n. 72/2010, que limitou a capacidade dos estados para concessão de benefícios fiscais a produtos importados. Isso teria beneficiado, de acordo com a PF, o grupo Odebrecht, em especial, a Braskem.

O senador nega que tenha recebido propina e aponta que vê na denúncia da PF uma retaliação por sua atuação contra o governo.

Leia mais no Metrópoles, parceiro do NSC Total

Leia também

> Governo Bolsonaro decide suspender compra da Covaxin, alvo de denúncias

> Manifestações pelo impeachment de Bolsonaro movimentam 18 cidades em SC; veja fotos

>​​ SC tem quatro regiões fora do risco gravíssimo para a Covid-19 pela 1ª vez desde abril

> Eduardo Leite reage às críticas de Bolsonaro: “Imbecil”

Colunistas