publicidade

Cotidiano
Navegue por

Justiça

PGR reitera parecer favorável à prisão preventiva de João de Deus

Procuradora-geral emitiu um novo posicionamento sobre a situação do médium suspeito de abuso sexual

06/01/2019 - 09h49 - Atualizada em: 06/01/2019 - 09h51

Compartilhe

Por GaúchaZH
A defesa solicitou prisão domiciliar sob alegação de que o médium João de Deus tem graves problemas de saúde
A defesa solicitou prisão domiciliar sob alegação de que o médium João de Deus tem graves problemas de saúde
(Foto: )

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, confirmou sua posição favorável à manutenção da prisão do médium João de Deus, detido após centenas de denúncias de abuso sexual contra mulheres em Abadiânia (GO).

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Dias Toffoli havia solicitado um novo parecer à Procuradoria-Geral da República (PGR) em razão de a defesa alegar que a saúde do médium se encontra fragilizada.

A defesa solicitou a concessão de uma liminar que garanta prisão domiciliar sob alegação de que o médium tem graves problemas de saúde e que a unidade prisional de Abadiânia não tem serviço adequado a sua situação.

No parecer, a procuradora-geral frisou que a presidência do STF requisitou informações ao juiz responsável pelo caso a respeito da assistência médica fornecida a João de Deus — levado recentemente a um hospital ao verificar a presença de sangue na urina.

De acordo com o parecer de Raquel Dodge, as informações prestadas pelo juiz foram confirmadas no relatório sobre o estado de saúde enviado pela Diretoria-Geral de Administração Penitenciária do Estado de Goiás.

"Em nenhum dos atendimentos médicos registados no relatório foi especificado algum problema de saúde do paciente que não possa ser acompanhado e tratado no estabelecimento prisional onde se encontra", pontuou a procuradora. Para ela, a lei não autoriza a concessão de prisão domiciliar de caráter humanitário ao paciente por falta de fundamento.

Em uma primeira manifestação, apresentada em 26 de dezembro, a PGR já havia se posicionado contra a soltura do médium. Naquela ocasião, Dodge sustentou que a concessão da liberdade pelo STF só seria válida se a ordem de prisão fosse ilegal.

A procuradora-geral defendeu manter a prisão preventiva de João de Deus também porque a conduta dele teria apontado risco de fuga e intenção de dificultar as apurações.

Deixe seu comentário:

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação