nsc

publicidade

Crime

Polícia investiga morte de homem agredido em posto de combustíveis em Palhoça

Caso aconteceu na tarde desta terça-feira (17), no bairro Aririú. Deivid Duarte da Silva foi espancado até a morte por um grupo e três pessoas foram presas

17/09/2019 - 16h30 - Atualizada em: 25/09/2019 - 20h52

Compartilhe

Por Guilherme Simon
O carro da vítima, utilizado para um suposto apoio a um assalto, foi reconhecido pelo grupo de agressores
O carro da vítima, utilizado para um suposto apoio a um assalto, foi reconhecido pelo grupo de agressores
(Foto: )

Deivid Duarte da Silva, 20 anos, foi morto na tarde desta terça-feira (17) em um posto de combustíveis no bairro Aririú, em Palhoça, na Grande Florianópolis. Três suspeitos foram presos em flagrante e serão indiciados por homicídio qualificado, conforme a Polícia Civil.

Segundo a Polícia Militar (PM), a vítima estava abastecendo o carro no posto, quando foi surpreendida inicialmente por três pessoas, que usaram objetos como capacetes, durante o ataque. As agressões começaram por volta de 13h30min, conforme a ocorrência.

Testemunhas relatam que o morador de Palhoça foi agredido por aproximadamente 40 minutos, sem conseguir se defender, e que cerca de 10 pessoas participaram do linchamento. Algumas pessoas tentaram conter as agressões, segundo a PM, mas foram ameaçadas pelos agressores.

Por volta das 16h25min, equipes da Polícia Civil, do Instituto Geral de Perícias (IGP) e do Instituto-Médico Legal (IML) estavam no local para apurar a situação.

De acordo com o delegado responsável pelo caso, Fabiano Rocha, alguns suspeitos já tinham sido identificados. Os três presos em flagrante foram encaminhados até a Central de Plantão Policial.

Os suspeitos alegaram à polícia que teria havido revide porque a vítima do linchamento teria participado de um assalto que ocorreu na noite de segunda (16). À PM, eles disseram que o homem teria dado apoio para dois assaltantes roubarem um veículo Prisma, que pertencia a um motorista de aplicativo. As circunstâncias, no entanto, estão sob investigação da Polícia Civil.

O carro utilizado para o suposto apoio ao crime foi reconhecido pelo grupo de agressores, assim que Deivid Duarte da Silva chegou ao posto de combustíveis em Palhoça, na tarde desta terça. Conforme a PM, o veículo roubado foi recuperado à tarde em Florianópolis.

Sobre o assalto na noite anterior às agressões no posto, a PM confirma a ocorrência por volta de 23h46min de segunda. Segundo o registro, um motorista de aplicativo foi acionado para uma corrida no bairro Aririú, em Palhoça, e, no ponto de chegada, "indivíduos em posse de uma arma de fogo anunciaram o roubo".

A vítima foi abandonada no bairro Praia de Fora e os suspeitos levaram o Prisma, carteira com documentos pessoais e cartões de banco, um telefone celular e R$ 100 em espécie.

Irmã presenciou tentativa de reanimar a vítima

A irmã da vítima, Michele Duarte da Silva de Souza, 27 anos, contou à reportagem que passou de ônibus pelo posto de combustíveis logo depois que Deivid havia sofrido as agressões. Ela reconheceu o carro e soube, por outro passageiro do coletivo urbano, que havia um homem caído no chão.

— Fui até a ponte, onde desembarcava, e meu coração não ficou calmo. Minha sogra foi me pegar na ponte e eu pedi pra ela me trazer aqui (no posto). Quando cheguei, estavam tentando reanimar ele, mas já estava morto — conta.

Deivid trabalhava em uma lavação, segundo Michele, e tinha um filho, mas estava separado. Irmão do meio, foi criado por Michele e morava com os pais, atualmente. Segundo a PM, a vítima não tinha passagens pela polícia.

— Ele sempre foi um bom irmão. Eu nunca o vi roubar ou bater em alguém. Sempre foi uma boa pessoa. Não tinha boca para dizer não. Eu estou sem chão — lamentou.

Ainda não é assinante? Assine e tenha acesso ilimitado ao NSC Total, leia as edições digitais dos jornais e aproveite os descontos do Clube NSC.

Deixe seu comentário:

publicidade