nsc
    an

    Segurança

    Polícia prende ex-companheiro de enfermeira assassinada em Joinville

    Homem é suspeito de ser o mandante do crime cometido em 30 de janeiro na zona Sul

    18/02/2016 - 12h27 - Atualizada em: 24/07/2019 - 17h23

    Compartilhe

    Por Redação NSC
    Policial conduz Antônio para cela na Central de Polícia de Joinville
    Policial conduz Antônio para cela na Central de Polícia de Joinville
    (Foto: )

    O ex-companheiro da técnica de enfermagem Claudia Mara Koppe, 44 anos, assassinada em 30 de janeiro, foi preso nesta quinta-feira em Joinville. Ele é suspeito de ser o mandante do crime, que ocorreu dentro da casa dela, na zona Sul da cidade.

    Antonio Neto Borges de Souza, 43 anos, é vigilante e já estava sendo monitorado pela Polícia Civil. Ele estava em Campina Grande do Sul (PR) e chegou a Joinville no início da tarde, quando foi preso no bairro Saguaçu.

    Enfermeira morta dentro da própria casa sofria ameaças

    Polícia não descarta possibilidade de crime passional em assassinato

    Segundo o delegado Wanderson Alves, o suspeito negou ter envolvimento com a morte da ex-companheira, disse que não forneceu a arma para o crime e não ter relação com o adolescente de 17 anos, apreendido na semana passada, suspeito de ser o executor do crime.

    O garoto confessou ter sido o autor do disparo que tirou a vida da técnica de enfermagem e que teria recebido R$ 1 mil para cometer o assassinato. A arma usada no homicídio ainda não foi encontrada.

    - As provas de que ele foi mandante do crime são robustas e eficazes - afirma o delegado.

    Mulher morre ao ser baleada por volta do meio-dia deste sábado

    Polícia apreende adolescente suspeito de matar enfermeira

    De acordo com Alves, o suspeito de ser o mandante do homicídio alegou ter vivido durante três meses com Claudia na mesma casa onde ocorreu o crime. No entanto, testemunhas afirmaram que eles moraram juntos por cerca de seis meses.

    Claudia havia registrado diversos boletins de ocorrência contra Antonio, além de medidas protetivas por ameaça e lesões corporais. Segundo a polícia, o suspeito não quis comentar sobre o assunto.

    O inquérito policial será finalizado em dez dias. O homem pode responder por homicídio duplamente qualificado - ter pago dinheiro para matar a técnica de enfermagem e feminicídio, por envolver violência doméstica e familiar -, o que pode somar uma pena de 12 a 30 anos de prisão.

    Após ser apresentado na Divisão de Investigação Criminal, onde foi interrogado, ele foi encaminhado ao Presídio Regional de Joinville.

    Claudia trabalhava no Hospital São José (Foto: Arquivo pessoal / Facebook)

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Polícia

    Colunistas