nsc
    dc

    Projeto de Lei

    Prefeito de Curitiba quer multar quem distribuir comida a sem-teto sem autorização

    Segundo a prefeitura, existem quase 3 mil moradores de rua na cidade; objetivo é organizar a distribuição de alimentos

    01/04/2021 - 13h16

    Compartilhe

    Redação
    Por Redação DC
    Projeto prevê multa de R$ 150 a R$ 550 para quem der comida aos moradores de rua sem autorização
    Projeto prevê multa de R$ 150 a R$ 550 para quem der comida aos moradores de rua sem autorização
    (Foto: )

    O prefeito de Curitiba, Rafael Greca (DEM) criou um projeto de lei que prevê multa para quem distribuir comida aos sem-teto sem autorização da prefeitura. Segundo a prefeitura, existem quase 3 mil sem-teto na cidade. 

    > Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

    O projeto encaminhado à Câmara Municipal de Curitiba (CMC) diz que quem “distribuir alimentos em desacordo com os horários, datas e locais autorizados pelo Município de Curitiba”, poderá ser multado de R$ 150 a R$ 550, após advertência. 

    Na segunda-feira (29), o projeto de lei entrou nas votações da CMC, com pedido de que fosse votado em regime de urgência. Mas o requerimento foi retirado de pauta pelos vereadores, que optaram pela tramitação habitual. 

    Voluntários reagem 

    Ao saber do projeto de lei, organizações não governamentais e grupos de voluntários que distribuem os alimentos aos sem-teto publicaram uma carta aberta, dizendo que foram pegas de surpresa com a proposta do prefeito. 

    “Em meio a tantos problemas, tantas demandas não cumpridas, tantas possibilidades efetivas de resolver de forma eficaz o problema, a atitude é esta: proibir e penalizar quem faz” — disse a carta aberta assinada pelas ONGs. 

    Em nota, a prefeitura explicou que, se o projeto for aprovado, serão feitas apenas mudanças na forma da distribuição de comida aos sem-teto. Segundo a prefeitura de Curitiba, tem que haver organização porque há desalinhamento no fornecimento das marmitas: em alguns momentos os alimentos são oferecidos em exagero e, em outros, faltam alimentos.

    *Com informações de G1

    Colunistas