nsc

Destruição

Prefeito de Gov. Celso Ramos fala em R$ 100 milhões em prejuízo

Município teve ginásio e casas destruídas por conta do ciclone

02/07/2020 - 09h44 - Atualizada em: 02/07/2020 - 16h15

Compartilhe

Jorge
Por Jorge Jr.
Ginásio terá que ser construído do zero, diz prefeito
Ginásio terá que ser construído do zero, diz prefeito
(Foto: )

O município de Governador Celso Ramos, na Grande Florianópolis, teve o ginásio municipal destruído, muitas casas destelhadas, câmara de vereadores e prefeitura atingidas por conta do ciclone da útima terça-feira e uma pessoa morreu. Os estragos foram muitos e a energia elétrica e os sinais de telefonia se encontram precários mesmo quase dois dias após o fenômeno. O prefeito Juliano Campos estima em prejuízo milionário.

- Foram atingidas mais de 3 mil residências, algumas foram implodidas e deixaram de existir, coisa de cinema, surreal, 20 embarcações foram ao fundo, secretarias completamente destruídas, unidades escolares e de saúde, é um prejuízo que a gente imagina algo em torno de R$ 100 milhões. Ao longo desses oito anos como prefeito a gente tem uma noção do quanto foi gasto. O ginásio municipal completamente destruído, é passar a máquina e fazer um novo. Não adianta recuperar o que está lá, não se consegue recuperar, é algo que nos entristece, mas com fé, força e foco nós vamos reerguer a cidade o mais rápido possível - explicou o prefeito.

> Leia mais: “Não sei nem como recomeçar”, diz morador que teve casa atingida em Governador Celso Ramos

Para ajudar na recuperação dos estragos, Juliano Campos cita apoio do Governo Federal, recebeu contato do ministro Rogério Marinho, do Desenvolvimento Regional, e Onyx Lorenzoni, assim como da Defesa Civil e dos senadores Jorginho Mello e Dário Berger - mas ainda não recebeu contato do governador Carlos Moisés, disse o prefeito. O momento, segundo Campos, é de união para recuperar a cidade.

- Esse é o momento da gente se unir, buscar recuperar a cidade, mas principalmente restabelecer a vida social das pessoas que lá vivem. São mais de 3 mil famílias que foram atingidas e essas pessoas precisam do nosso respeito e da nossa solidariedade. 

Colunistas