nsc
dc

Investigação

Quatro são presos em Criciúma e Içara por crimes de extorsão sexual em SC e RS

Eles faziam perfis falsos para depois ameçar homens em troca de dinheiro

07/07/2020 - 09h31 - Atualizada em: 07/07/2020 - 09h34

Compartilhe

Lariane
Por Lariane Cagnini
operacao
Operação foi deflagrada na manhã desta terça e prendeu quatro pessoas
(Foto: )

Quatro pessoas foram presas preventivamente por envolvimento em crimes de extorsão sexual em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul. A Polícia Civil deflagrou a Operação Aletheia na manhã desta terça-feira (7), e cumpriu dois mandados em Criciúma e dois em Içara, no Sul de SC.

O delegado Yuri Miquelluzzi, responsável pela Divisão de Repressão à Roubos da Polícia Civil de Criciúma (DRR/DIC) disse que em um dos casos a vítima chegou a pagar em torno de R$ 30 mil reais aos criminosos. Ainda segundo a investigação, somente em uma das contas do grupo criminoso giravam mensalmente cerca de R$ 100 mil reais.

O grupo era investigado há mais de um ano, e criava perfis falsos em redes sociais se passando por mulheres jovens. Segundo a polícia, eles atraíam homens com padrão financeiro elevado e começavam a trocar mensagens, fotos e vídeos íntimos. Depois, entravam em contato alegando que o autor do perfil era uma menina menor de idade, e exigiam dinheiro para que o caso não fosse denunciado.

> SC registra semana com mais mortes por Covid-19 desde o início da pandemia

A pessoa fingia ser o pai da menina, e quando o homem se negava a pagar, ele simulava um contato com a polícia. O homem era então contatado por um integrante do grupo, que se passava por policial. Eles chegaram a fraudar um mandado de prisão para intimidar uma das vítimas.

> Homem Pateta: autor de perfil que estimula suicídio na internet é localizado pela polícia

Além de extorsão sexual, eles podem responder ainda por falsidade ideológica, falsificação de documentos, lavagem de dinheiro e corrupção de menores. Também foram aporeendidos computadores, celulares, uma arma de fogo e um veículo clonado. A análise dos materiais apreendidos vai confirmar quais desses crimes foram realmente praticados pelo grupo.

Depois de prestar depoimento, os presos serão encaminhados ao Presídio Regional de Criciúma.

Colunistas