nsc
nsc

Saúde

Queda de cabelo pós-Covid é um problema comum: saiba como tratar

De acordo com especialista, aproximadamente 25% das pessoas acometidas pelo coronavírus sofrem com queda capilar como sequela

25/02/2022 - 17h06 - Atualizada em: 25/02/2022 - 17h45

Compartilhe

Estúdio
Por Estúdio NSC
queda de cabelo
O problema de queda capilar pode ser causado por diversos fatores, como estresse e ansiedade
(Foto: )

Fios espalhados pelo quarto e outros cômodos da casa, até mesmo no travesseiro. Ao tomar banho, ficam nas mãos aos montes. Mas, calma, isso não necessariamente é um problema. O cabelo tende a cair normalmente, o que não acende um sinal de alarme quando totaliza 60 a 100 fios por dia. No entanto, quem usa produtos químicos como alisamentos ou que podem quebrar o cabelo, como chapinha e secador em excesso, tende a apresentar uma queda mais acentuada.

Agora, uma situação que vem preocupando os especialistas é o eflúvio telógeno, a queda de cabelo causada após o paciente contrair a Covid-19. Dr. Felipe Chediek, dermatologista e tricologista, afirma que isso ocorre devido ao acúmulo de substâncias inflamatórias no corpo e também tem relação com o estresse, a ansiedade e a febre alta, que são sintomas presentes na maior parte dos pacientes em contato com o novo coronavírus.

— Em torno de 25% das pessoas que têm Covid têm queda de cabelo. Não imediatamente após a infecção, mas até três meses depois do evento causal — detalha.

Distúrbio no ciclo de vida dos fios

Chediek explica que o cabelo possui um ciclo de vida. Pessoas com reserva metabólica mais baixa podem sentir mais uma infecção e dependendo do impacto, podem ter mudanças na saúde como um todo, afetando a produção dos fios.

— Todo fio nasce, cresce e morre. A vida de um fio dura em média cinco anos. Tem uma última fase, chamada telogênica, que dura cerca de três meses. Nela ele morre, cai, e um novo fio surge. Tem essa renovação. Esse ciclo precisa estar em equilíbrio e muitos fatores podem desequilibrar esse ciclo.

Com a Covid-19, o corpo vai priorizar o combate ao vírus, com gasto energético. Com os cerca de 100 mil fios em média no couro cabeludo, é normal que em torno de 10% esteja na fase final de vida. Nesse momento em que o corpo precisa de energia para lutar contra a doença, há priorização ao sistema imunológico, diminuindo a produção de fios novos. Além disso, muitos fios que estão em desenvolvimento entram precocemente para a fase final de vida, a telogênica.

> Confira mapa do coronavírus em Santa Catarina

Dra. Vanuza Kohut, biomédica esteta, completa que uma das principais causas é o grande poder infeccioso e inflamatório da doença. Normalmente, o paciente com queda de cabelo acentuada percebe a situação no terceiro mês, mas com a Covid-19, tende a ser até no 30º dia.

— E com isso, o organismo não soube se adaptar ao vírus imunologicamente. Toda doença que gere esse processo com muita inflamação vai, posteriormente, gerar essa queda – detalha a médica. Tem sido bem comum, principalmente em quem tem mais sintomas — relata a especialista.

Mas afinal, é possível tratar o problema?

Os tratamentos mais indicados são aqueles onde o paciente usa um tônico capilar que realiza o fortalecimento dos cabelos, evitando que ele caia. Também é possível fazer tratamento em clínica, LEDterapia ou onde são injetados ativos que vão diminuir a queda. Segundo a especialista, o fator emocional também impulsiona a diminuição nos fios.

— O eflúvio telógeno é gerado por doenças infecciosas ou então por questões emocionais. Quando a pessoa não teve um processo infeccioso tão forte, acaba sendo afetada pelo emocional. Todos nós acabamos sofrendo com a questão do Covid — explica Dra. Vanuza.

Produto inovador chega ao Brasil

Uma queda repentina e acentuada nos fios pode causar estresse, diminuição da autoestima e problemas emocionais relacionados a essa situação. Além disso, em pacientes com fatores genéticos, a Covid-19 pode acentuar ainda mais a diminuição nos fios e se não houver um tratamento adequado o quanto antes, fica mais difícil reverter o problema no futuro.

No entanto, profissionais médicos podem proporcionar um tratamento consolidado que tem como benefícios a melhora do crescimento capilar e a espessura dos fios, o fortalecimento do couro cabeludo, proporcionando fios saudáveis e mais fortes e a criação de um ambiente saudável para a produção capilar.

A Intervalue Comercial S/A, importadora que atua em diferentes segmentos de mercado, traz os produtos: Cellcurin® Home Care uso doméstico e Cellcurin® Hair Ampoule um tônico capilar 100% estéril com registro na ANVISA de uso profissional aplicado através da técnica de MTS – Sistema de Terapia de Microagulhas para tratamento clínico. Também pode ser utilizado através de mesoterapia ou MMP, pois segue princípio semelhante ao microagulhamento.

cellcurin
Produto pioneiro e inovador chega ao Brasil como solução para queda capilar
(Foto: )

— É a opção mais completa, moderna, eficaz e segura para o tratamento da Alopécia Androgenética, eflúvios telógenos e demais implicações da queda capilar, seu uso também é recomendado para sobrancelhas e barba. Sem contra- indicação para o paciente. O Fator Complexo Capilar é a fórmula que faz do Cellcurin® um inovador produto para maximizar a habilidade de restauração do couro cabeludo. O produto conta com fórmula de 10 ativos profissionais sendo 08 fatores de crescimento incluindo fator de célula tronco, além do SOD1 e noggin peptídeo, aminoácidos, vitaminas e minerais, e sete extratos naturais ricos em nutrientes, cuidadosamente escolhidos — detalha o presidente da Intervalue, Robson Ravache.

O produto possui na composição um coquetel de fatores de crescimento. A recomendação é que o paciente faça uso contínuo do produto, com manutenção anual realizada pelo profissional.

Quer saber mais sobre o Cellcurin? Então acesse o site da Intervalue e fique por dentro dos benefícios deste produto inovador.

Leia também

Ainda dá tempo de fazer as malas: Top destinos em SC para aproveitar o carnaval

Grande Florianópolis recebe projeto pioneiro de reciclagem para salões de beleza

Exercícios na terceira idade são fundamentais para a prevenção de doenças

Colunistas