nsc
    nsc

    Método RTA

    Reabilitação pós-Covid: Terapia respiratória trata e ameniza sequelas de infecções graves

    Técnica de fisioterapia que pode ser feita em casa fortalece o sistema respiratório, ajudando na prevenção de formas graves da Covid-19 e minimizando os danos causados pela doença

    08/04/2021 - 12h57 - Atualizada em: 08/04/2021 - 13h57

    Compartilhe

    Estúdio
    Por Estúdio NSC
    Método RTA
    Metodologia brasileira utiliza o desenvolvimento saudável da respiração humana como princípio de tratamento, inclusive na reabilitação de pacientes acometidos pela Covid-19.
    (Foto: )

    Os sintomas mais comuns da Covid-19 – tosse seca, dor de garganta, falta de ar, dor no peito – estão relacionados a problemas respiratórios. Isso porque o SARS-CoV-2 (coronavírus) atinge o pulmão e, por consequência, demais órgãos do sistema respiratório. Embora grande parte das pessoas permaneçam assintomáticas, cerca de 20% podem necessitar de atendimento hospitalar e, destes, 5% podem apresentar quadro de insuficiência respiratória, segundo dados da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS).

    Painel do coronavírus: Veja dados da pandemia em SC por cidade

    Nos casos mais graves, pode haver a necessidade de procedimentos mais invasivos, como a oxigenoterapia de alto fluxo ou ventilação mecânica - através do uso de máscaras ou intubação - realizados apenas em ambiente hospitalar. De maneira geral, a infecção por Covid-19 deixa sequelas relacionadas à respiração e ao funcionamento global do corpo, por isso é necessário que pacientes passem por reabilitação do sistema respiratório e músculo esquelético, para que se tenha a plena recuperação das funções que estavam presentes antes da infecção.

    Segundo a fisioterapeuta Mariangela Pinheiro de Lima, idealizadora do Método RTA - técnica amplamente utilizada no processo de reabilitação de pacientes infectados pelo coronavírus - fortalecer o sistema respiratório é fundamental para garantir a recuperação do paciente.

    — Para minimizar o impacto do coronavírus no organismo, o sistema respiratório deve ser fortalecido usando os mesmos princípios da respiração saudável, que tem três características fundamentais: mínimo esforço, mínimo gasto de energia e máxima eficiência. Isso significa que a respiração é uma função de baixo custo e alto desempenho — explica a fisioterapeuta.

    Método RTA
    Método RTA ajuda a melhorar a ventilação pulmonar e a promover a remoção de secreções pulmonares e das vias aéreas superiores.
    (Foto: )

    O tratamento dos sintomas e sequelas de doenças respiratórias deve estar alinhado com os princípios fisiológicos da respiração, ou seja, é necessário tratar a forma como a pessoa respira, com o objetivo de levar o paciente à diminuição do esforço para ventilar os pulmões e, aos poucos, ser capaz de inserir atividades físicas para que não ocorra aumento do cansaço.

    — Ao se realizar uma atividade para a qual se está treinado, por conta da repetição frequente - como caminhar - a respiração atua como um discreto pano de fundo que alimenta o organismo com o oxigênio necessário para aquela atividade em execução. Após a infecção da Covid-19, esse processo não se mantém da mesma maneira, sendo necessário recorrer a técnicas que auxiliem na reabilitação dos pacientes, como o método RTA — explica Mariangela.

    >> SC se aproxima de 1 milhão de doses aplicadas da vacina contra o coronavírus

    O método Reequilíbrio Toracoabdominal, mais conhecido como RTA, utiliza os princípios fisiológicos da respiração e o desenvolvimento saudável da respiração humana como princípios de tratamento e alerta: o tratamento respiratório deve ter como objetivo, em primeiro lugar, a diminuição do cansaço e da sensação de fadiga e fraqueza para a progressão das atividades.

    Conheça o método RTA

    A RTA é um método de terapia manual global que ajuda a melhorar a ventilação pulmonar e a promover a remoção de secreções pulmonares e das vias aéreas superiores através da reorganização da ação conjunta dos músculos respiratórios. Essa reorganização é realizada no repouso e durante as atividades do dia a dia, visando sempre o menor esforço para respirar.

    Pacientes com disfunções respiratórias frequentemente apresentam algum grau de cansaço para realizar atividades consideradas muito simples como falar, comer, pentear ou lavar os cabelos, evacuar e desempenhar pequenas atividades em casa.

    — Quando apresentam disfunções respiratórias moderadas, a dificuldade respiratória se apresenta durante pequenos deslocamentos dentro de casa ou em exercícios físicos leves. Também é importante estar atento à qualidade do sono, que tende a ficar alterada e podem aparecer sintomas como despertar com frequência e ou suar muito durante a noite — reforça a idealizadora do método RTA.

    >> Acesse as principais notícias e informações sobre o coronavírus no NSC Total

    Esse método leva em consideração todas as incoordenações respiratórias e trabalha com o objetivo de oferecer condições de forma progressiva ao paciente em todas as atividades que praticava antes ou que deseja praticar no futuro. Segundo a fisioterapeuta, um princípio muito importante do método é não adicionar mais sobrecarga para a respiração, seja com excesso de exercícios ou com aparelhos que impõem dificuldade para respirar.

    Para a Sociedade Brasileira de Fisioterapia (SBF), o Reequilíbrio Toracoabdominal (RTA) é recomendado em casos de deficiências do sistema musculoesquelético – uma das principais sequelas dos casos mais graves de Covid-19 – por demandar um menor gasto energético.

    O método contribui de forma importante para a evolução dos pacientes de Covid -19, melhorando significativamente o esforço respiratório, e promovendo a integração das atividades com a respiração, e o reequilíbrio na distribuição de volume pulmonar, isto é, na entrada e saída do ar dos pulmões.

    Além do tratamento de sequelas respiratórias da Covid-19, o RTA pode ser aplicado em pacientes com outras patologias que causem disfunção respiratória, desde bebês (inclusive prematuros) até pessoas idosas. A condição clínica não é limitante para aplicação da técnica, pois o manuseio muda de acordo com as possibilidades de cada paciente.

    — As vantagens do tratamento com a abordagem do método RTA são inúmeras e dentre tantas, podemos destacar a gentileza na realização do tratamento e a diminuição do esforço para respirar – o paciente não se desgasta fazendo exercícios porque o fisioterapeuta executa manuseios no corpo de quem está sendo tratado, manipulando suavemente o sistema respiratório. Quanto mais grave o estado do paciente, mais o fisioterapeuta trabalha para oferecer conforto. Como consequência, ocorre diminuição do esforço muscular ventilatório, levando a melhor entrada de ar nos pulmões e ao descanso da musculatura respiratória que foi levada a trabalhar em excesso para vencer a sobrecarga que a doença impõe ao corpo — explica Mariangela Pinheiro de Lima.

    “Parece que o ar nunca mais vai encher seus pulmões”

    Essa é uma das sensações mais comuns entre pacientes que apresentam sintomas da Covid-19. Foi assim com a fisioterapeuta Ana Carolina Xavier, proprietária da Family Care Fisio, clínica que aplica RTA na cidade do Rio de Janeiro. Ana vinha atuando na linha de frente no combate à doença em hospitais da capital fluminense quando sentiu os primeiros sintomas.

    — Minha cabeça começou a latejar, meu coração disparou e percebi meus pulmões com dificuldade para se expandir — relata.

    Isso acontece porque o coronavírus atua de forma aguda nos pulmões, podendo causar pneumonia, síndrome respiratória aguda e outras lesões, que exigem aporte extra de oxigenação. Alguns danos perduram além da infecção, ou seja, o paciente tem sequelas mesmo depois que o vírus deixa de ser patógeno. Uma das sequelas mais preocupantes é a fibrose pulmonar, que exige reabilitação prolongada, assim como as bronquiolites resultantes da Covid 19.

    >> SC confirma primeira morte por febre amarela em humano de 2021

    Estudos da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT) apontam que exercícios voltados ao fortalecimento da musculatura pulmonar, como os que compõem o método RTA, ajudam a diminuir o agravamento da Covid-19 e a reduzir os danos após a infecção.

    — É recomendável que, ao contrair a Covid-19, o paciente procure tratamento com o método RTA o mais breve possível, para que seu sistema respiratório seja prontamente otimizado para estar nas melhores condições para enfrentar possíveis problemas respiratórios causados pelo vírus. O tratamento respiratório precoce é essencial porque não é possível saber quem vai apresentar a forma branda ou em quem a doença vai evoluir — afirma Mariangela.

    Ana Carolina Xavier destaca, ainda, a importância do Reequilíbrio Toracoabdominal como uma maneira de diminuir o colapso no sistema de saúde. Segundo ela, muitos pacientes podem manter uma rotina de exercícios RTA com o acompanhamento de um fisioterapeuta e de um médico parceiro, em casa, evitando, em alguns casos, a necessidade de atendimento hospitalar.

    Além da Covid, pessoas com outras doenças crônicas são beneficiadas pelo RTA

    Os benefícios do método RTA são estendidos a todos os indivíduos com doenças respiratórias, pois proporciona o fortalecimento do sistema respiratório sem fadigar a musculatura. A atividade terapêutica considera inúmeras alterações que as doenças respiratórias promovem – sensoriais, posturais, motoras e ocupacionais.

    O RTA promove uma melhora da saturação de oxigênio, da capacidade vital, das frequências cardíaca e respiratória, e alivia a sensação de falta de ar. Mariangela explica que o progressivo relaxamento da musculatura respiratória promove a melhora da qualidade do sono e aumenta a aptidão para atividades funcionais. Essa sequência de bons resultados pode ser obtida de forma linear em pacientes com Covid ativo em tratamento domiciliar e nos pacientes em reabilitação pós-Covid.

    Há centenas de fisioterapeutas habilitados para trabalhar com Reequilíbrio Toracoabdominal, atuando em todo o país. Os profissionais prestam assistência presencial e on-line, incluindo o Hospital SOS Cárdio, em Florianópolis, que tem adotado a técnica no processo de reabilitação de pacientes.

    >> Profissionais da saúde fazem ato por vacinas e em defesa do SUS em Florianópolis

    — Percebo que o método RTA tem feito a diferença no tratamento e na reabilitação de pacientes com Covid-19, principalmente porque respeita a fisiologia e a mecânica respiratória. Os manuseios suaves da técnica reduzem a carga de trabalho muscular, favorecem a expansão pulmonar e geram conforto para os pacientes. A insuficiência respiratória provocada pelo vírus causa, na grande maioria dos pacientes, um bloqueio muscular inspiratório, gerando um cansaço e uma sobrecarga muscular intensa. À medida que posicionamos, relaxamos e liberamos a musculatura da caixa torácica e do tronco, permitimos que a respiração aconteça de forma mais natural. Aplico o RTA diariamente nos pacientes que atendo, desde os que estão hospitalizados e em ventilação mecânica aos que estão se recuperando em domicílio — relata a chefe da fisioterapia no Hospital SOS Cardio, da empresa Fisiocardio, Voldiana Lúcia Pozzobon.

    Para encontrar um profissional na sua região, acesse o site metodorta.com.br.

    Leia também

    Investir em imóveis durante a pandemia pode ser um bom negócio

    SC aproveita boom do mercado náutico brasileiro

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Especiais Publicitários

    Colunistas