nsc
dc

Conteúdo multimídia

Reportagem especial da NSC relata troca de cartas entre jovens de SC e de campos de refugiados

No mundo, cerca de 79,5 milhões deixaram suas casas para fugir de conflitos e perseguições

13/10/2020 - 13h24 - Atualizada em: 14/10/2020 - 11h33

Compartilhe

Redação
Por Redação DC
Ao todo, 18 crianças e adolescentes trocaram relatos sobre suas rotinas e sonhos.
Ao todo, 18 crianças e adolescentes trocaram relatos sobre suas rotinas e sonhos.
(Foto: )

A pandemia vem afetando a vida de todos, especialmente a dos mais vulneráveis, como pessoas que moram em campos de refugiados. Imagine então o impacto do novo coronavírus no cotidiano de crianças e adolescentes em situação de refúgio. Esse é o tema de uma reportagem especial da NSC, que será publicada a partir desta quarta-feira (14). São histórias de palestinos e libaneses, que trocaram cartas com catarinenses, revelando sonhos e aflições de quem vive a infância e a adolescência em plena crise da Covid-19.

>> Clique aqui e leia a reportagem especial

No mundo todo, cerca de 79,5 milhões de pessoas deixaram suas casas para fugir de conflito, violência, perseguição ou violações de direitos humanos. Dessas, aproximadamente 31,8 milhões têm menos de 18 anos, e 3,7 milhões estão fora da escola. São meninas e meninos que já viviam em condições precárias, e que tiveram sua situação agravada em 2020, em função da pandemia do novo coronavírus.

Na reportagem multimídia, o público vai conferir histórias como a da palestina Hanan Soboh, de 22 anos, que ensina gratuitamente garotas na escola do campo onde mora, no Líbano. Ela está em busca de um estágio, mas tem dificuldades para encontrar, pois como refugiada, não tem direito a trabalhar no país. A jovem respondeu a carta recebida de Maria Luiza, 18 anos, moradora de Florianópolis. A catarinense contou que sente saudade dos amigos durante a pandemia, e que sonha em ser cardiologista.

— Eu percebia que quanto mais vulnerável a criança e sua família eram, maiores as dificuldades para cumprir o distanciamento, já que as famílias eram numerosas e dividiam o mesmo espaço físico. Foi aí que pensei: se está difícil para as nossas crianças, como estará sendo num campo de refugiados? — conta a repórter Ângela Bastos.

Ao todo, 18 crianças e adolescentes trocaram mensagens sobre suas rotinas e planos para o futuro. “Cartas na pandemia" poderá ser conferida no NSC Total, a partir de 14 de outubro, e nas edições impressas do DC, AN e Santa.

> Mapa do coronavírus: veja a evolução da pandemia em SC

Colunistas