nsc
dc

Compra investigada

Respiradores: empresa derrotada em processo negou oferta e teve reunião com vereador investigado 

Desdobramentos em outros estados da Operação 02, que investiga a compra de 200 respiradores por R$ 33 milhões em SC, corroboram tese de fraude no processo de compra, aponta investigação 

15/05/2020 - 04h30 - Atualizada em: 15/05/2020 - 07h27

Compartilhe

Lucas
Por Lucas Paraizo
Aeroporto de Florianópolis
Carga com 50 respiradores chegou em Florianópolis nesta quinta-feira (14) e foi apreendida pela Polícia Civil no aeroporto
(Foto: )

As mais de 800 páginas que integram o processo da investigação sobre a compra de 200 respiradores pelo Governo de Santa Catarina por R$ 33 milhões trazem desdobramentos além do Sul do Brasil. A operação já teve atos em São Paulo, Rio de Janeiro e Mato Grosso, envolvendo vários outros nomes no esquema que, segundo o Ministério Público de SC, envolve crimes de peculato, corrupção ativa e passiva e até lavagem de dinheiro.

Em reportagem publicada nesta sexta-feira (15), o portal The Intercept Brasil revela, ainda, que um assessor da M M J S disse à reportagem que a empresa não fez nenhuma proposta de venda de respiradores para o governo de Santa Catarina.

Uma das ramificações da investigação envolve as outras propostas apresentadas no processo de compra vencido pela Veigamed. O valor de R$ 33 milhões, que é considerado superfaturado, foi o mais barato recebido pelo governo do Estado. No entanto, há indícios de que as outras duas propostas concorrentes serviam apenas de fachada para garantir o valor da Veigamed, conforme a investigação.

Atendendo a um pedido do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) de Santa Catarina, o Ministério Público do Mato Grosso (MPMT) investigou a M M J S, empresa com sede em Cuiabá que fez uma das propostas com valor superior à Veigamed.

O relatório do MPMT aponta que o endereço da empresa é uma sala comercial em um edifício no Centro de Cuiabá. O escritório em questão, no entanto, é uma sala vazia sem nenhum indício de atividade no local. O MPMT destaca também que anteriormente a empresa atendeu pelo nome de Bau Holdings & Participações, e em 2017 foi investigada por suspeita de venda ilegal de bitcoins e formação de esquema de pirâmide.

Encontro com vereador que teve R$ 300 mil apreendidos

O relatório do MPMT sobre a empresa de Cuiabá destaca também um encontro do sócio-proprietário da M M J S com Davi Perini Vermelho, vereador de São João do Meriti (RJ) que teria atuado como representante da Veigamed e é um dos investigados no processo em Santa Catarina.

Conforme a investigação, no dia 8 de abril (após o governo de SC contratar a Veigamed) o empresário de Cuiabá estava em São Paulo e conheceu Vermelho em uma reunião no escritório da empresa Meu Help - cujo proprietário é Fábio Guasti, também investigado por ter negociado os respiradores em nome da Veigamed.

Relatório MPMT
Trecho do relatório do MPMT que cita a sala vazia da M M J S
(Foto: )

No local, Davi Vermelho teria se apresentado como representante da Veigamed, e estava negociando a venda de testes rápidos de Covid-19. A reunião em questão passou a ser investigada pelas autoridades de São Paulo por uma possível relação com outro inquérito, que apurava o furto de testes no aeroporto de Guarulhos. Por causa do encontro, o sócio da M M J S chegou a apresentar um pedido de habeas corpus preventivo. As informações constam no relatório do processo em Santa Catarina, que teve o sigilo quebrado na segunda-feira (11).

Conforme a reportagem do The Intercept Brasil, a Veigamed afirmou que o vereador Davi Vermelho, que é presidente da Câmara de São João do Meriti, “presta serviços ocasionais de consultoria de segurança” à empresa. O Intercept aponta também que, em 2018, a Veigamed recebeu R$ 1 milhão do município de São João do Meriti pelo fornecimento de produtos hospitalares. A empresa afirma que os contratos que mantém com a prefeitura local não tem relação com a atuação do vereador. A reportagem não conseguiu contato com Vermelho para buscar um contraponto.

Colunistas