nsc
    dc

    Sucessão no Congresso

    Rodrigo Pacheco (DEM-MG) é eleito presidente do Senado

    Pacheco, que era o favotiro, é apadrinhado pelo senador Davi Alcolumbre e apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro

    01/02/2021 - 18h01 - Atualizada em: 01/02/2021 - 18h07

    Compartilhe

    Redação
    Por Redação DC
    Senador Rodrigo Pacheco
    O senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), eleito presidente do Senado Federal nesta segunda
    (Foto: )

    O senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG) foi eleito presidente do Senado Federal nesta segunda-feira (1º) para o período 2021-2022. A vitória dele, que era o favorito na disputa, foi com 57 votos. Dos 81 senadores, 78 votaram. Durante a noite, a Câmara dos Deputados também elegerá o novo presidente.

    Pacheco é apadrinhado pelo senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), presidente do Senado até então, e apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O senador, de Minas Gerais, tem 44 anos e está em seu primeiro mandato no Senado, após quatro anos como deputado federal.

    > Deputado Mauro de Nadal, do MDB, é eleito presidente da Alesc

    A disputa foi entre ele a senadora Simone Tebet (MDB-MS), que concorreu como candidata avulsa após ter sido abandonada pela bancada do MDB. O partido negociou apoio a Pacheco, em troca de lugares na Mesa Diretora. Tebet recebeu 21 votos.

    Major Olímpio (PSL-SP), Jorge Kajuru (Cidadania-GO) e Lasier Martins (Podemos-MS), que também eram candidatos, abandonaram a disputa e anunciaram apoio a Tebet.

    A votação

    O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), anunciou o início da votação para a escolha do novo comando da Casa, por volta das 17h. A votação, que é secreta, foi feita manualmente, com cédulas, e foi encerrada por volta das 18h40min.

    > Receba notícias de SC por WhatsApp. Clique aqui e saiba como

    Os senadores foram chamados um por um, por ordem da fundação do estado e de idade - primeiramente os mais velhos. Os parlamentares então foram depositar os votos nas urnas localizadas no plenário e em outros dois locais fora.

    Uma das urnas foi colocada na entrada da chapelaria - a entrada pela passagem subterrânea do Congresso - para os senadores do grupo de risco para a Covid-19.

    Colunistas