nsc
dc

Atualização

SC passa de 13 para 9 regiões em risco gravíssimo para coronavírus

Mapa de risco do governo do Estado foi divulgado nesta quarta (20)

20/01/2021 - 15h39 - Atualizada em: 20/01/2021 - 18h08

Compartilhe

Clarissa
Por Clarissa Battistella
Sete regiões deixaram o risco gravíssimo para coronavírus em SC
Sete regiões deixaram o risco gravíssimo para coronavírus em SC
(Foto: )

O número de regiões de Santa Catarina em risco gravíssimo para coronavírus caiu de 13 para 9 nesta quarta-feira (20), conforme novo mapa divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES). O grupo mais crítico é identificado na matriz pela cor vermelha. Outras sete regiões foram classificadas com risco grave (em laranja). Não há regiões com risco alto (amarelo) ou moderado (azul). 

> Aplicativo do Ministério da Saúde receita tratamento precoce com cloroquina até para bebês

> Veja o mapa do vírus em Santa Catarina

Estão classificadas como grave as regiões do Alto Vale do Itajaí, Carbonífera, Extremo Oeste, Extremo Sul Catarinense, Laguna, Médio Vale do Itajaí e Xanxerê.

Já a Grande Florianópolis, que permaneceu uma semana no nível grave, apresentou piora e foi novamente indicada com risco gravíssimo, com os níveis de monitoramento, transmissibilidade e óbitos no patamar mais alto de atenção. 

- O número de óbitos e casos registrados essa semana, se comparado com a última matriz, permanece estável - destacou a epidemiologista Maria Cristina Willemann.

Para a classificação, o mapa de risco considera o comportamento da pandemia, a transmissibilidade, monitoramento dos casos e a ocupação de leitos de UTI.

O que muda nas regiões

Nas regiões que passaram de grave para gravíssimo, voltam a ser proibidos o esporte recreativo e o funcionamento de casas noturnas, que no estágio laranja podem funcionar com 20% da capacidade. Há também mudanças na capacidade de ocupação de museus, teatros e cinemas.

> Veja no mapa quantas vacinas foram destinadas para cada cidade de SC

Já as regiões que passaram do gravíssimo para grave deixam de precisar cumprir essas restrições, embora outras normas como restrição de público em alguns locais e eventos sociais sigam valendo.

Colunistas