A possível passagem de um ciclone raro por Santa Catarina deixará o tempo chuvoso nesta segunda-feira (19). Segundo a Defesa Civil, o fenômeno deve permanecer uma depressão subtropical e seguir em alto mar, mas levará um fluxo de umidade à costa catarinense, causando chuvas e temporais isolados.

Continua depois da publicidade

Siga as notícias do NSC Total pelo Google Notícias

A chuva começa de manhã, no Grande Oeste, e se espalha para o restante do Estado ao longo do dia. Junto aos temporais, podem ocorrer raios, rajadas de vento e queda de granizo, sobretudo do Extremo Oeste ao Litoral Norte, atingindo também todo o Vale do Itajaí e parte da Grande Florianópolis.

De acordo com a Defesa Civil, o risco é baixo nas áreas em verde e moderado nas áreas em amarelo para ocorrências como destelhamentos, alagamentos e enxurradas pontuais. Veja o mapa a seguir.

Previsão do tempo para esta segunda (Foto: Defesa Civil, Divulgação)

Os ventos devem soprar com fraca intensidade, sem direção predominante. As ondas terão alturas entre 1,5 e 2 metros, de quadrante Leste. As temperaturas no período da tarde ficam em torno dos 32°C no Extremo Oeste, Oeste, Vale do Itajaí e Litoral Norte.

Continua depois da publicidade

Em caso de chuvas intensas, a recomendação é que a população não transite em áreas alagadas e fique atenta à áreas próximas a rios e ribeirões. Em caso de ocorrências, ligue para a Defesa Civil Municipal através do número 199, ou ao Corpo de Bombeiros, pelo telefone 193.

Qual o risco do ciclone raro?

Na última sexta-feira (16), a Marinha do Brasil identificou uma depressão subtropical na costa do Rio de Janeiro, podendo se tornar um ciclone subtropical. Na noite de domingo (18), a Defesa Civil informou que a Marinha segue com a previsão de que o sistema se mantenha uma tempestade tropical, sem se tornar um ciclone. O órgão avalia que o impacto em Santa Catarina deve ser baixo.

Segundo as previsões da Defesa Civil, as questões climáticas podem provocar agitação do mar, mas, mesmo assim, com baixa possibilidade de ondas acima de 2 metros. Outro impacto por ser o vento com mais força nas áreas costeiras, que não deve passar de 65km/h.  

Continua depois da publicidade

Leia também

O que se sabe sobre a possível passagem de ciclone raro por SC

Metade da Amazônia pode atingir “ponto de não retorno” e ser perdida até 2050, aponta estudo da UFSC

Alargamento da praia de Jurerê, em Florianópolis, chega à penúltima fase

Destaques do NSC Total