nsc
    hora_de_sc

    VOCÊ CONHECE?

    Halloween: conheça histórias de sete lugares sinistros da Grande Florianópolis

    Não faltam prédios históricos, ruas famosas e até pontos turísticos, como a Ponte Hercílio Luz, em que há relatos de pessoas que garantem ter visto coisas macabras

    29/10/2020 - 08h19

    Compartilhe

    Redação
    Por Redação Hora
    Ponte Hercílio Luz, antes da reforma ser concluída
    Ponte Hercílio Luz, antes da reforma ser concluída
    (Foto: )

    Você não precisa ser supersticioso e acreditar em histórias horripilantes contadas na sexta-feira 13 ou no Halloween mas é impossível não se arrepiar com algumas delas. 

    Na Grande Florianópolis, não faltam prédios históricos, ruas famosas e até pontos turísticos, como a Ponte Hercílio Luz, em que há relatos de pessoas que garantem ter visto coisas macabras por ali. Selecionamos sete lugares e histórias para este dia. Confira:

    > 15 filmes de arrepiar para assistir no Halloween

    1 – Ponte Hercílio Luz

    Ivo Pelegrini, 81 anos, trabalhador mais antigo da ponte Hercílio, contou que tem um motivo pra sempre sair da estrutura antes das 18h, todos os dias.

    – A gente ajudou a fazer o canteiro, ali onde era o cemitério. Depois aparecem algumas coisas por causa disso. Algumas coisas que assustam. Não é lenda não, é sério mesmo. De vez em quando a gente vê, quem anda de noite na ponte vê. Melhor sair antes de escurecer – conta, aos risos, que não dá pra saber se são bom humor ou nervosismo.

    2 – Palácio Cruz e Sousa

    Palácio Cruz e Sousa
    Palácio Cruz e Sousa
    (Foto: )

    No Palácio Cruz e Sousa, no Centro de Florianópolis, há quem ainda veja perambulando pelo local uma mulher de vestido azul, também depois das 18h. A história foi contada em reportagem sobre o roteiro cultural Floripa Misteriosa

    3 – Largo da Catedral Metropolitana

    Largo da Catedral Metropolitana
    Largo da Catedral Metropolitana, em Florianópolis
    (Foto: )

    Para quem curte histórias de amor com fim trágico, há o relato da noiva que foi abandonada no dia do casamento e correu da Catedral Metropolitana, no Centro da Capital, até o prédio rosa onde hoje funcionam as lojas Marisa para flagrar o noivo com outra. Ao sair do local desesperada, rolou da escada e faleceu, porém até hoje assombra o prédio:

    — Ela aparece principalmente para as mulheres que estão sendo traídas, como um alerta para elas — disse uma das personagens do roteiro cultural Floripa Misteriosa, criado pelos historiadores do grupo Floripa Dazantiga.

    > Aprenda três maquiagens para arrasar nas festas de Halloween; veja vídeos

    4 – Rua Conselheiro Mafra

    No prédio na esquina da Rua Conselheiro Mafra, em que atualmente funciona um banco, existiu a primeira Alfândega da Capital, que ruiu em uma grande explosão, matando várias pessoas, e nunca se soube a causa. Um pouco mais a frente, na mesma rua, no prédio das Casas Bahia, já funcionou o Hotel do Comércio, hospedando figuras ilustres da época. Foi nele que morreu o famoso flautista Patápio Silva antes mesmo de se apresentar no TAC, em 1907, não se sabe se envenenado ou por decepção amorosa por uma italiana deslumbrante que visitava a cidade na mesma época.

    5 – O lobisomem de Potecas

    Uma das histórias mais comentadas de lobisomem por antigos moradores de São José,na Grande Florianópolis, e que foi relatada no livro “São José: 250 anos”, de Vilson Farias, é de um causo que foi ouvido pelas bandas de Potecas: “Um rapaz foi atacado pelo lobisomem. O rapaz cortou o lobisomem com um canivete, quebrando o encanto. O homem (lobisomem) foi descoberto e fingiu felicidade por se livrar do feitiço. Agradeceu o rapaz e disse que o esperasse, que iria buscar um agrado para compensá-lo. 

    O rapaz desconfiou, tirou a capa e o chapéu que estava usando, colocando-os num pau fincado no meio da estrada. O ex-lobisomem voltou com uma espingarda e atirou na capa, imaginando ser o rapaz (que observava escondido na mata). O rapaz fugiu e contou aos amigos quem era o lobisomem, que acabou indo embora”. 

    6 – O fantasma do engenho

    São José, assim como outras cidades de Santa Catarina, possuía uma quantidade grande de engenhos de farinha. Uma das estruturas no bairro Forquilhinhas foi palco de outra história de assombração ouvida por Vilson e relatada em seu livro: “Foi visto um vulto saindo do engenho com uma vela acesa na mão, o mesmo vulto largou-a no chão e sumiu”.

    > Halloween: conheça cinco histórias de assombração no Litoral de Santa Catarina

    7 – Casa de Câmara e Cadeia de São José

    Casa de Câmara e Cadeia de São José
    Casa de Câmara e Cadeia de São José
    (Foto: )

    Outro lugar cheio de mistério é a Casa de Câmara e Cadeia de São José, que hoje está revitalizada e abriga a Casa da Cultura de São José. No período colonial, era nessa estrutura onde eram tomadas as decisões, e no seu subterrâneo, ficavam as celas. A Casa fica no Centro Histórico e foi construída em 1859. Eis um fato descrito no livro Sinfonia Poética e Prosa, da Academia São José de Letras. “O caso de mais notoriedade foi o que se deu em 10 de agosto de 1921. 

    Estava cumprindo pena em uma das celas, a primeira ao lado esquerdo, o famoso condenado Domingos Brocato. Fora protagonista, em Lages, no ano de 1902, de um crime, talvez o mais famoso de Santa Catarina. (…) Brocato assassinou Ernesto Canozzi e Olinto Pinto Centeno, duas pessoas muito conhecidas e queridas na sociedade lageana. Esse acontecimento ficou conhecido como A Tragédia do Caveiras. 

    > 10 melhores filmes de terror para ver na Netflix

    Após ser preso, veio cumprir pena na penitenciária estadual em Florianópolis. Posteriormente foi transferido para a cadeia de São José, onde desentendeu-se com outro prisioneiro, conhecido por João Ruivo, sendo que esse o matou a pauladas enquanto dormia”. A história é curiosa até hoje e dá calafrios em muita gente. Tem quem garante que o a alma da vítima continua ali.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Entretenimento

    Colunistas