nsc
an

Segundo turno

"Sou hipertensa, do grupo de risco, mas quis votar", diz técnica de enfermagem em Joinville

Com a cidade sob risco gravíssimo para o coronavírus, eleitor faz o que pode para evitar contágio

29/11/2020 - 14h57 - Atualizada em: 29/11/2020 - 15h51

Compartilhe

Por Ângela Bastos
Simone konell compareceu ao local de votação em Joinville usando máscara e luvas.
Simone konell compareceu ao local de votação em Joinville usando máscara e luvas.
(Foto: )

Joinville, a maior cidade catarinense, com cerca de 590 mil moradores e 403 mil eleitores, vive o segundo turno das eleições num momento em que a pandemia está em aceleração. Desde que a região passou de risco grave para gravíssimo na matriz do governo do Estado, a população foi chamada a fazer a parte que lhe cabe para impedir o avanço do coronavírus e baixar os números. 

Confira a apuração em tempo real das Eleições 2020

Foi o que fez a eleitora Simone konell, a qual compareceu ao local de votação usando máscara e luvas, e carregando na bolsa gel e caneta:

— A situação está muito complicada no município. Eu sou hipertensa e me incluo no chamado grupo de risco, mas também quis comparecer para votar — explicou a técnica de enfermagem que trabalha no Incor, o Instituto do Coração.

Saiba o resultado das eleições 2020 nas capitais do Brasil

Ainda na Faculdade CNEC Joinville, outro exemplo de preocupação com a saúde foi dado pela assistente social Shirley Barbosa da Silva. A mesária do Tribunal Regional Eleitoral distribuía gel para os eleitores que chegavam na porta da Seção 082:

— Prefiro conversar com a pessoa e oferecer o gel do que simplesmente deixar o frasco na mesa, pois as pessoas nem sempre se dão conta. Isso ocorre, principalmente, com os mais idosos — explicou.

A assistente social Shirley Barbosa da Silva foi mesária na votação em Joinville.
A assistente social Shirley Barbosa da Silva foi mesária na votação em Joinville.
(Foto: )

Mas nem todos deram bom exemplo. A chegada do segundo turno repetiu um problema verificado na votação de 15 de novembro. A Justiça Eleitoral não conseguiu esclarecer sobre a obrigatoriedade ou não dos protetores faciais, os face shield. A confusão pode ser identificada em diferentes locais de votação: enquanto alguns mesários usavam os protetores faciais, outros deixavam os equipamentos sobre mesas. 

Joinville chega a 33°C no domingo de eleição

De uma coisa ninguém pode reclamar: o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) encaminhou os equipamentos e o TRE fez a distribuição. "O uso é opcional", disse um funcionário do TRE. Numa outra seção, na mesma escola, a resposta: "É obrigatório".

“A gente se sente importante em poder decidir quem quer na prefeitura”

Enquanto isso, o eleitor Claudiomiro Alves de Ramos, 40 anos, também se dizia preocupado com a pandemia. Para ele, a situação no lugar onde mora, a comunidade do Morro do Amaral, na área rural ao sul de Joinville, torna a situação um pouco menos perigosa por reunir poucas pessoas:

Claudiomiro Alves de Ramos, 40 anos, diz que gosta de votar.
Claudiomiro Alves de Ramos, 40 anos, diz que gosta de votar.
(Foto: )

— Eu vim caminhando ali de casa até aqui. Mesmo assim com máscara e tomando cuidado para não fazer ajuntamento — disse, enquanto recebia gel nas mãos oferecido por uma funcionária na Escola Municipal Professor Reinaldo Pedro de França.

Eleitora que faz trajeto de carroça para votar em Joinville

Claudiomiro, que explica ter recebido este nome em homenagem ao jogador do Internacional de Porto Alegre, da década de 70, e disse que gosta de votar:

— A gente se sente importante em poder decidir quem quer na prefeitura.

Mas aproveitou para dizer que, independentemente de quem vença, "é preciso um olhar para este lugar que é bonito, mas muito esquecido pelas autoridades".

“A política tinha que ser para os pequenos, para o povo simples”

Mesmo pensamento de Vicente Soares, 93 anos, um dos moradores mais antigos da Ilha do Morro do Amaral:

— Aqui não mudou nada desde que nos anos 1970 eu e outros abrimos esta estrada. Meu pai e tios foram os primeiros moradores deste lugar, e éramos pescadores, e o único caminho era para pegar lenha no mato.O dia da eleição não alterou a rotina de Soares, que passa as horas sentado na parada do ônibus olhando o movimento, acompanhado dos cachorros da casa.

Com 93 anos, Vicente Soares é um dos moradores mais antigos da Ilha do Morro do Amaral.
Com 93 anos, Vicente Soares é um dos moradores mais antigos da Ilha do Morro do Amaral.
(Foto: )

Viúvo, pai de oito filhos e com mais de uma dezena de netos e bisnetos, ele que deixou de votar por causa da idade, diz que quanto menor o lugar, há menos ajuda para a comunidade:

— A política devia ouvir os pequenos, as pessoas simples, os pobres. Quem já tem, já tem. Esses não precisam mais de ajuda.

Acesse também:

Acompanhe o resultado eleições 2020 em Blumenau

Futuro prefeito de Joinville vai administrar orçamento bilionário

Colunistas