publicidade

HENRIQUE BILBAO

Sua empresa se preocupa com a ética para bots?

A responsabilidade parte dos programadores e empresas que vendem a ferramenta, até a sociedade que pode ser impactada com o chatbot de inúmeras maneiras

15/07/2019 - 12h46

Compartilhe

Por Tech SC
As diretrizes éticas precisam estar relacionadas à base de construção de um bot, e além disso, com a forma que ele interage com os usuários.
As diretrizes éticas precisam estar relacionadas à base de construção de um bot, e além disso, com a forma que ele interage com os usuários.
(Foto: )

Arte / NSC Total
Arte / NSC Total
(Foto: )

A essa altura do campeonato você já deve saber que chatbot não é uma tecnologia tão nova assim. Grandes empresas como Instagram, Facebook, Amazon e Google se tornaram expoentes no mercado por desenvolverem soluções minimalistas e com muito potencial envolvendo a inteligência artificial.

Porém, o crescimento rápido e avançado do uso de bots têm levantado pontos importantes a respeito do alcance desta tecnologia e do seu envolvimento com a privacidade dos dados. A sua empresa tem se preocupado com isso?

Tech SC: acompanhe as principais notícias sobre o universo da tecnologia em SC

A inteligência artificial, e todas as suas formas de uso, têm sido uma pauta altamente discutida no mercado atual. Cada dia mais, as empresas estão se preocupando em incorporar esta tecnologia aos seus negócios e experiência do cliente.

Em paralelo a isso, os princípios éticos determinados na comunicação de soluções de I.A. também têm sido abordados com muita ênfase. Afinal, quando falamos no uso de chatbot, por exemplo, a cadeia de responsabilidades parte dos programadores e empresas que vendem esta ferramenta, à sociedade em si que pode ser impactada com ele (o chatbot) de inúmeras maneiras diferentes.

Quando falamos em inteligência artificial e tudo que esse universo envolve, a palavra "ética" parece algo muito óbvio, mas nem tudo é o que parece. Este assunto é complexo e abrange uma ampla área, incluindo privacidade, propriedade de dados, abuso e transparência.

A IBM, uma das maiores empresas de tecnologias do mundo, lista alguns pontos de alerta ao usar a inteligência artificial em sua empresa:

- As organizações têm ignorado questões determinantes ligadas à ética no uso da inteligência artificial;

- Os clientes (usuários) desta tecnologia precisam saber quando estão se comunicando com uma máquina e não com um ser humano real;

- A propriedade de informações compartilhadas com um bot está ligada com questões de propriedade intelectual;

- A privacidade e a proteção dos dados do usuário são primordiais no mundo atual interconectado.

Você já parou para avaliar se a sua empresa tem se preocupado com esses tópicos? Caso a resposta seja não, este é um sinal de atenção.

Para Rob High, CTO da IBM Watson, "A I.A., como a maioria das outras ferramentas tecnológicas, é mais eficaz quando é usada para estender as capacidades naturais dos humanos em vez de substituí-los. Isso significa que a I.A. e os humanos são melhores quando trabalham juntos e podem confiar uns nos outros."

Por isso, tenha como base do seu desenvolvimento, algumas diretrizes como:

- Transparência;

- Poder de escolha;

- Retenção segura de dados;

- Alinhamento das expectativas dos clientes, sem promessas exageradas.

As diretrizes éticas precisam estar relacionadas à base de construção de um bot, e além disso, com a forma que ele interage com os usuários.

Já é fato que esta descoberta têm trazido benefícios nunca vistos antes, mas isso não quer dizer que podemos desenvolvê-los e disponibilizá-los sem responsabilidade e cuidado com os dados. Bots éticos podem promover fidelidade à sua marca e otimizar muitos processos, reduzindo custos de operação, mas este movimento exige atenção.

Com informações da IBM.

*Henrique Bilbao é diretor comercial da Ezok.

Deixe seu comentário:

publicidade