nsc
santa

Investigação

Sumiço de vacinas da Covid-19 em cidade de SC ocorreu por "desorganização", diz polícia

Apuração do suposto furto de 10 doses no Vale do Itajaí mostra falha no cuidado com uma medicação "escassa e primordial para controle da pandemia", diz delegado

12/05/2021 - 05h28 - Atualizada em: 12/05/2021 - 06h10

Compartilhe

Talita
Por Talita Catie
Sumiço ocorreu no posto de saúde do Centro de Apiúna. Foto ilustrativa, tirada antes a pandemia
Sumiço ocorreu no posto de saúde do Centro de Apiúna. Foto ilustrativa, tirada antes a pandemia
(Foto: )

O sumiço de 10 doses da vacina contra a Covid-19 ocorreu por "desorganização" da prefeitura de Apiúna, no Médio Vale do Itajaí. É isso que aponta o inquérito que foi concluído pela Polícia Civil a respeito do suposto furto dos imunizantes. 

O caso foi registrado no início de março na cidade e o desfecho da apuração surpreendeu até os investigadores.

> Receba notícias do Vale do Itajaí pelo WhatsApp

Isso porque diferente das hipóteses levantadas inicialmente, que cogitavam a possibilidade de um funcionário ou uma pessoa de fora do posto de saúde ter subtraído o imunizante, as investigações não conseguiram concluir sequer se houve um furto.

Na sala onde as doses eram armazenadas não havia câmeras de segurança e nem controle de entrada e saída de pessoas, conta o delegado Filipe Martins. Também não há testemunhas que possam indicar que alguém tenha levado a vacina. 

Cerca de 10 pessoas foram ouvidas ao longo do inquérito.

— Não sabemos nem mesmo se houve a subtração [da vacina] em virtude do nível de desorganização, de falta de controle e segurança daquela sala. Pode ter, inclusive, acontecido um extravio das vacinas — afirma Martins.

Ninguém foi indiciado no inquérito policial. Agora cabe ao Ministério Público (MPSC) analisar o caso e determinar medidas de controle à prefeitura de Apiúna. Procurada pela reportagem, a Administração Municipal disse não ter sido notificada sobre o fim da apuração e afirmou aguardar posição do MP.

Reforço na segurança

O prefeito Marcelo Doutel da Silva conta que na manhã do sumiço das doses a contagem apontou que o frasco estava no local. À tarde, quando a equipe foi retirar o medicamento para aplicação, não estava mais. 

— Agora se quebraram e não quiseram contar por medo ou algo nesse sentido, não tem como falar — admite. 

Ele garante que depois do episódio uma câmera de monitoramento foi instalada na própria geladeira de armazenamento. Quem tira as doses do local, atualmente, é a polícia, diz o prefeito.

— Agora é feito um controle minucioso, antes era uma sala de vacinação normal — pontua o chefe do Executivo. 

Relembre o caso

O sumiço de um frasco da vacina contendo 10 doses foi informado à polícia pelos próprios funcionários do posto de saúde do Centro de Apiúna. 

A equipe de imunização tinha programado a aplicação do medicamento em pacientes externos e quando foi pegar as doses necessárias, não as encontrou. 

A prefeitura abriu uma sindicância interna para apurar o caso. O processo administrativo ainda não foi concluído.

Colunistas