nsc
santa

Investigação

Suspeita de sonegação milionária motiva operação contra clínica de emagrecimento de SC

Carros e imóveis de luxo foram sequestrados pela Justiça enquanto apurações por organização criminosa, sonegação fiscal e outros crimes continuam

04/08/2021 - 10h32 - Atualizada em: 04/08/2021 - 10h40

Compartilhe

Bianca
Por Bianca Bertoli
Polícia e Receita Federal cumpriram mandados de busca e apreensão em Balneário Camboriú
Polícia e Receita Federal cumpriram mandados de busca e apreensão em Balneário Camboriú
(Foto: )

Uma rede de clínicas de emagrecimento espalhadas por Santa Catarina foi alvo de operação do Ministério Público Federal na manhã desta quarta-feira (4), em Balneário Camboriú e Itajaí, no Litoral Norte do Estado. Com o apoio da Polícia e Receita Federal, foram cumpridos nove mandados de busca e apreensão em endereços jurídicos e dos suspeitos. Veículos e imóveis de luxo ligados às pessoas investigadas foram confiscados.

> Receba notícias do Vale do Itajaí por WhatsApp

O sequestro de bens foi uma das medidas encontradas para impedir que os suspeitos vendessem os patrimônios antes do fim das investigações, que apontam, inicialmente, R$ 15 milhões em impostos sonegados e multas por conta das fraudes.

Conforme a Polícia Federal, as investigações começaram após a suspeita de que a organização empresarial da Magrass, empresa com sede na região de Balneário Camboriú, foi possivelmente estruturada de modo a permitir a prática de sonegação fiscal, lavagem de capitais e envio ilegal de dinheiro ao exterior.

Pelo apurado, um sistema de caixa 2 foi formado por diversas empresas que compõem o mesmo grupo econômico, operando transferências de valores indevidos entre elas, aquisição de bens em nome de terceiros e possível envio ilegal de dinheiro ao exterior.

Durante o cumprimento das ordens judiciais, a Receita Federal intimou os contribuintes envolvidos no esquema criminoso para o início das respectivas ações fiscais. Os investigados responderão pelos crimes de organização criminosa, sonegação fiscal, lavagem de capitais e evasão de divisas, cujas penas somadas podem chegar a 29 anos de prisão.

Investigações continuam

Após o cumprimento dos mandados, as investigações prosseguirão para apurar por completo as responsabilidades de todos os envolvidos. A quantidade de suspeitos não foi informada, tampouco a função de cada um na empresa. Por ora, a ação não impede o funcionamento das clínicas. Os valores dos bens apreendidos não foram detalhados.

Contraponto

A reportagem Santa, G1-SC e NSC TV tentou contato com responsáveis pela empresa Magrass durante a manhã desta quarta-feira (4), porém não obteve retorno até a publicação desta matéria.

Leia também

Vitrais de igreja histórica de Blumenau são enviados para restauro no Rio de Janeiro

DNIT cancela em cima da hora reunião em Blumenau sobre impasse da BR-470

Colunistas