nsc
dc

Mundo

Terremoto no Haiti de magnitude 7,2 deixa centenas de mortos

Principais danos causados pelo terremoto teriam ocorrido nas cidades de Jérémie e Les Cayes

14/08/2021 - 16h40 - Atualizada em: 14/08/2021 - 17h16

Compartilhe

Folhapress
Por Folhapress
Terremoto no Haiti deixa centenas de mortos
Terremoto no Haiti deixa centenas de mortos
(Foto: )

Um terremoto de magnitude 7,2 atingiu o Haiti na manhã deste sábado (14) causando destruição principalmente no sul do país e deixando ao menos 227 mortos, além de centenas de feridos e desaparecidos, segundo o governo. 

O sismo foi registrado às 8h29 locais (9h29 de Brasília) e seu epicentro foi no noroeste da ilha de Hispaniola, a 160 km da capital haitiana, Porto Príncipe. Dez minutos depois, houve uma réplica de magnitude 5,2. O embaixador do Brasil em Porto Príncipe, Marcelo Baumbach, afirmou que não há brasileiros entre as vítimas da tragédia. As autoridades já entraram em contato com os residentes na ilha. 

> Receba as principais informações de Santa Catarina pelo Whatsapp

— O terremoto atingiu principalmente a região de Jérémie, onde as construções são mais precárias. Foi sentido também em Porto Príncipe, mas menos. A internet está funcionando na capital e tem sido o principal meio de comunicação para informar sobre o ocorrido. 

Nas redes sociais, vídeos gravados por moradores mostravam prédios residenciais derrubados e pessoas correndo em meio a escombros e gritando. Os principais danos teriam ocorrido nas cidades de Jérémie e Les Cayes. Há imagens de edifícios religiosos, casas e escolas que teriam sido afetados. 

> Terremoto no Vale do Itajaí? Tremor sentido na região tem explicação e nem é tão misterioso

O primeiro-ministro da Haiti, Ariel Henry, decretou estado de emergência com duração prevista para um mês. Em rede social, o premiê, que tomou posse há menos de um mês, prestou solidariedade. "Apresento minhas condolências aos parentes das vítimas do violento terremoto que ocasionou muitas perdas em vidas humanas e materiais em vários departamentos do país", escreveu. 

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse no Twitter que está acompanhando "a mais recente tragédia em curso no Haiti". "Envio meus sentimentos a todos os afetados pelo terremoto. Minhas profundas condolências a todos que perderam familiares e amigos. A ONU está trabalhando para apoiar os esforços de resgate e assistência", afirmou. 

> Terremoto atinge o Norte do Brasil

Terremoto acontece em momento de instabilidade política no Haiti

O terremoto chega em um momento de instabilidade política e de crise econômica do país. No último dia 7 de julho, o então presidente Jovenel Moïse foi assassinado a tiros em sua casa por um grupo de mercenários. A primeira-dama Martine também ficou ferida. 

Os tremores deste sábado foram sentidos também na ilha de Cuba, na Jamaica e até no sul da Flórida, embora não haja, até o momento, relatos de mortes, feridos ou danos materiais. O centro de sismologia cubano disse ter registrado um terremoto de magnitude 7,4. 

— Todo mundo está realmente com medo. Já se passaram anos desde um terremoto tão grande — disse Daniel Ross, morador da província cubana de Guantánamo, à Reuters. Ele informou que sua casa está firme, mas a mobília balançou. 

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, aprovou ajuda "imediata" ao Haiti e designou a diretora da Usaid (a agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional), Samantha Power, para coordenar o esforço, disse um funcionário da Casa Branca a repórteres. 

> Vídeo mostra momento em que tornado toca o chão em SC; assista

Há 11 anos, um terremoto de magnitude 7 causou uma terrível destruição no Haiti. Foram mais de 200 mil mortos, 300 mil feridos e 1,5 milhão de desabrigados. Milhares de casas, edifícios administrativos e escolas, além de 60% do sistema de saúde haitiano, foram destruídos na ocasião. 

A tragédia se refletiu em uma década de instabilidade e promessas não cumpridas de desenvolvimento que sao sentidas até hoje. O país vive crônica instabilidade política, que não raro se traduz em manifestações violentas nas ruas e no fortalecimento de gangues locais.

Mudanças climáticas: como será a vida na Terra nos próximos 30 anos

Colunistas