nsc
dc

Moradias

Três casas em área de preservação são demolidas na Praia dos Naufragados, em Florianópolis

Residências estavam em área de preservação permanente e ação que permitiu a demolição tramitava na Justiça desde 2004

26/09/2019 - 10h52 - Atualizada em: 26/09/2019 - 11h06

Compartilhe

Redação
Por Redação DC
Casas foram demolidas nesta terça-feira
(Foto: )

Três casas na Praia dos Naufragados, ponto mais ao Sul da Ilha de Florianópolis, foram demolidas em uma ação com oficiais de Justiça, representantes do município e policiais militares nesta terça-feira. A ação cumpria uma ordem judicial que tramitava na Justiça desde 2004 a partir de um pedido do Ministério Público Estadual.

Segundo o MP, as casas estavam em uma área de preservação permanente prevista em leis federais e municipais, e por isso estavam irregulares no local. Os moradores já haviam sido comunicados que deveriam desocupar as casas, mas permaneceram na praia.

Conforme os relatos dos moradores, uma das casas demolidas não estava sendo habitada e outra pertencia a um morador que já possuía residência fora da praia. Outro imóvel com cerca de 20 metros quadrados era do pescador Cláudio Maurino de Jesus, o Seu Cravo, que morava sozinho no local e se recusou a deixar a praia. Após ter a casa demolida, passou a noite em uma barraca improvisada

Seu Cravo juntou os pertences em uma barraca improvisada após perder a casa
Seu Cravo juntou os pertences em uma barraca improvisada após perder a casa
(Foto: )

Cerca de 30 famílias moram na isolada Praia dos Naufragados e muitos estão com medo de novas demolições. A praia foi desanexada do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro em 2009 e passou a ser uma área de preservação ambiental. Recentemente, passou a ser administrada pelo Instituto do Meio Ambiente. O Ministério Público não informou quantas ações ainda tramitam ou estão prontas para cumprir a ordem de demolição.

Advogados que defendem moradores da área alegam que há um impasse em relação a falta de um plano de manejo da praia. Com esse impasse jurídico, eles alegam que nenhuma casa deveria ser destruída até haver mais clareza sobre a lei e os direitos dos que moram no local.

*Com informações de Marina Dalcastagne, da NSC TV.

Colunistas