Três crianças de famílias ciganas da etnia Calon foram retiradas dos responsáveis e encaminhadas para o Serviço de Acolhimento Institucional para Crianças e Adolescentes (Saica), em Canoinhas, no Planalto Norte de Santa Catarina. Para a família e representantes do povo cigano, o caso se trata de preconceito.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Joinville e região pelo WhatsApp

As crianças foram retiradas de duas famílias e levadas para o local, onde, de acordo com a prefeitura, estão sob tutela do serviço de acolhimento institucional. Para Rogério Silva, presidente da Associação do Centro de Referência Cigana de Santa Catarina, a ação viola o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). 

— O ECA diz que não será negado para uma criança o direito de falar sua própria língua. Nós ciganos falamos o português e o chibi. Quem tá ensinando essas línguas para as crianças nesse abrigo? É um preconceito institucional — critica. 

De acordo com Rogério, os responsáveis pelas crianças trabalham como comerciantes na cidade. Como são itinerantes, moram em casas, barracas ou em acampamentos. 

Continua depois da publicidade

Ele afirma que forças de segurança invadiram uma das barracas sem autorização judicial e retiraram duas crianças do local. Além disso, a terceira criança foi tirada de forma violenta do colo da avó quando ela estava comprando um refrigerante na rodoviária. 

Em um documento encaminhado para a prefeitura de Canoinhas, a associação de ciganos lamenta que o Centro de Referência de Assistência Social (Cras) não esteja garantindo o acesso à segurança e aos direitos socioassistenciais para eles.

“Tirar seus filhos por estarem em situação de vulnerabilidade social, há que se respeitar a consciência de sua identidade étnica; o direito à identidade étnica e pertencimento cultural, linguístico e territorial”, diz o documento. 

No mesmo material, o grupo pede que as crianças voltem para a guarda dos familiares e que a prefeitura ofereça medidas de segurança para os ciganos na cidade. 

Continua depois da publicidade

Procurada pela reportagem do NSC Total, a prefeitura de Canoinhas apenas confirmou que as crianças foram levadas para o Saica e que não podem dar mais detalhes pois o processo está em segredo de Justiça. Questionado, o município não respondeu sobre o que motivou o ação.

Leia também

Dono de loteamento em praia de SC tem R$ 11 milhões penhorados pela Justiça

Adriano Silva veta projeto aprovado por unanimidade pelos vereadores

Por que duas grandes empresas de SC gastam milhões para comprar outras companhias

Destaques do NSC Total