nsc
an

Nova estratégia

"Tudo que foi feito até hoje não surtiu resultado", diz secretário sobre combate à dengue em Joinville

Município vai comprar 400 mil testes e também ampliar o número de estações disseminadoras de larvicida pela cidade

06/05/2021 - 11h43

Compartilhe

Hassan
Por Hassan Farias
Trabalho de combate à dengue em Joinville
Trabalho de combate à dengue em Joinville
(Foto: )

Com mais de 3 mil casos de dengue confirmados em 2021, Joinville aposta em uma nova estratégia para tentar combater o mosquito Aedes aegypti. O objetivo é ampliar a testagem da população e instalar mais estações disseminadoras pela cidade, como revelou o secretário da Saúde, Jean Rodrigues da Silva, em entrevista à NSC TV na última quarta-feira (5).

> Acesse para receber notícias de Joinville e região pelo WhatsApp

- Tudo que foi feito até hoje não surtiu resultado. Neste momento, estamos passando por mudanças de estratégia para tentar avançar - afirmou.

Em pouco mais de quatro meses, a cidade já tem quase metade do total de casos de dengue registrados ao longo de todo o ano passado, quando houve recorde de pessoas infectadas. Os números têm preocupado e devem crescer nos próximos 60 dias, quando deve acontecer o avanço na testagem dos joinvilenses.

> Joinville tem um caso de dengue por hora em 2021, em média

O secretário afirma que já está em processo de compra um lote com 400 mil testes para identificar casos de dengue. Também serão reposicionados 20 profissionais da Vigilância Ambiental para ajudar na aplicação dos testes.

- Nós vamos adotar o mesmo processo que é feito para o coronavírus, com testes rápidos em todos os pontos em que a população tiver acesso à rede de saúde - explica Jean.

Atualmente, são dois tipos de exames disponíveis para diagnosticar a dengue: o antígeno e o NS1 - a escolha vai depender do dia em que começaram os sintomas. Segundo o secretário, a ampliação da testagem é importante para entender onde há mais casos e fazer o deslocamento do esforço de combate para o lugar certo.

> Por que a fila de espera por leitos de UTI Covid voltou a crescer em Joinville

Ampliação das estações disseminadoras

Outra ação que faz parte da nova estratégia da prefeitura de combate ao mosquito ainda voando é a ampliação das estações disseminadoras. Elas começaram a ser usadas em outubro do ano passado em uma parceria com a Fiocruz Amazonas.

Neste modelo, o mosquito do Aedes aegypti é "contaminado" com o larvicida e o leva para os criadouros, que são de difícil visualização, acesso e intervenção. Os critérios utilizados para seleção dos locais para instalar as estações foram definidos por dados georreferenciados de casos de dengue e focos de mosquitos.

Atualmente, existem 869 estações espalhadas por três bairros de Joinville. E a perspectiva da prefeitura é ampliar para 1,5 mil, em mais bairros, em um período de até 60 dias.

Além disso, terá sequência o trabalho com armadilhas para o mosquito instaladas pela cidade e também a campanha de conscientização da população.

> Joinville abrirá agendamento de horários da nova etapa de vacinação contra a Covid na próxima semana

Orientações contra a proliferação

- evite usar pratos nos vasos de plantas. Se usá-los, coloque areia até a borda;

- guarde garrafas com o gargalo virado para baixo;

- mantenha lixeiras tampadas;

- deixe os depósitos d’água sempre vedados, sem qualquer abertura, principalmente as caixas d’água;

- plantas como bromélias devem ser evitadas, pois acumulam água;

- trate a água da piscina com cloro e limpe-a uma vez por semana;

- mantenha ralos fechados e desentupidos;

- lave com escova os potes de comida e de água dos animais no mínimo uma vez por semana;

- retire a água acumulada em lajes;

- dê descarga, no mínimo uma vez por semana, em banheiros pouco usados;

- mantenha fechada a tampa do vaso sanitário;

- evite acumular entulho, pois ele pode se tornar local de foco do mosquito da dengue;

- denuncie a existência de possíveis focos de Aedes aegypti para a Secretaria Municipal de Saúde;

- caso apresente sintomas de dengue, chikungunya ou zika vírus, procure uma unidade de saúde para o atendimento.

Colunistas