nsc
    dc

    Ensino superior

    UFSC terá ingresso por cotas nos programas de pós-graduação

    Resolução normativa aprovada nesta quinta-feira prevê reserva de 28% das vagas em programas de pós-graduação para negros, indígenas, pessoas com deficiência e em vulnerabilidade social

    02/10/2020 - 13h39

    Compartilhe

    Por Guilherme Simon
    UFSC
    Campus da Universidade Federal de Santa Catarina em Florianópolis
    (Foto: )

    A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) aprovou nesta quinta-feira (1º) uma resolução normativa que regulamenta política de cotas para negros, indígenas e pessoas com deficiência e de outras categorias de vulnerabilidade social nos cursos de pós-graduação, tanto de especialização quanto de mestrado e doutorado. Com isso, os programas deverão reservar 28% de suas vagas para as cotas.

    > Estudo da UFSC diz que vacina já existente pode reduzir risco da Covid-19

    A resolução normativa foi aprovada pela Câmara de Pós-Graduação da UFSC. A aprovação ocorreu por maioria absoluta, com apenas um voto contrário. Ela passará a valer a partir da publicação no boletim oficial da universidade. De acordo com a assessoria da UFSC, isso deve ocorrer entre esta sexta (2) e segunda-feira (5).

    Das 28% das vagas reservadas, 20% deverão ser destinadas a candidatos pretos, pardos e indígenas. Será válida a autodeclaração com validação posterior por meio de uma banca a ser constituída pela Secretaria de Ações Afirmativas e Diversidades (Saad).

    Os outros 8% das cotas deverão ser destinadas a pessoas com deficiência, e outras categorias de vulnerabilidade social nos cursos de pós-graduação, a serem identificadas pelos cursos.

    Conforme a assessoria da universidade, as categorias poderão incluir, entre outros, estudantes em situação de vulnerabilidade socioeconômica, quilombolas, estrangeiros e refugiados humanitários, professores da rede pública, travestis, transexuais e transgêneros, estudantes beneficiários do Programa Universidade para Todos (Prouni).

    > Volta às aulas em SC será liberada nas regiões em nível amarelo para coronavírus

    A pró-reitora de Pós-Graduação, Cristiane Derani, classificou a adoção das cotas nos programas como “uma grande conquista”.

    — Atualmente, muitas instituições internacionais de renome, nos Estados Unidos, Europa, Canadá, oferecem cotas raciais, econômicas, de gênero, entre outras. No Brasil também já temos universidades que aplicam de maneira normativa. É uma mudança necessária, defendida mundo afora onde se observa que a diversidade traz qualidade — destacou.

    De acordo com a assessoria de imprensa da UFSC, dados de cor/raça dos estudantes matriculados em 2020 nos programas de pós-graduação da universidade demonstram que 73,8% deles se declaram brancos, 10,94% pardos, 4,09 pretos, 0,95% amarelos, 0,25% indígenas e 10,6% não declaram cor/raça.

    > Lista da Forbes de profissionais inovadores negros tem aluno formado pela UFSC: "Foi algo surreal"

    — Esperamos que a UFSC, enquanto instituição pública de ensino superior, com esta ação, tenha cada vez mais uma maior inclusão étnico-racial, de gênero, de pessoas com deficiência e outros grupos sociais vulnerabilizados — reassltou a secretária de Ações Afirmativas e Diversidades da universidade, Francis Solange Vieira Tourinho.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Educação

    Colunistas