nsc
nsc

CCG apresenta

Conheça as mudanças tecnológicas que a pandemia trouxe para a medicina

Inovações em equipamentos e protocolos de atendimento facilitam o acompanhamento de pacientes a distância

05/03/2021 - 15h15

Compartilhe

Estúdio
Por Estúdio NSC
Inovações em equipamentos e protocolos de atendimento facilitam o acompanhamento de pacientes a distância
Inovações em equipamentos e protocolos de atendimento facilitam o acompanhamento de pacientes a distância
(Foto: )

Home office, ensino a distância, lives de shows, pagamentos sem contato (cashless) são somente alguns exemplos de como mudamos a forma de produzir e de consumir durante a pandemia do novo coronavírus. As atividades de estudos, de trabalho e de lazer, assim como as relações interpessoais e o modo como atuamos no dia a dia, foram alteradas de maneira significativa no último ano e, mesmo com o advento da vacina, ainda é cedo para dizer quando – e se – voltaremos à rotina anterior à pandemia. 

O certo é que muitas transformações foram impulsionadas pela necessidade de criar meios para driblar o isolamento social, e nesse desafio a tecnologia tem papel fundamental.

Durante praticamente todo o ano de 2020, a medicina e a comunidade científica promoveram algumas revoluções – desde o sequenciamento genético do vírus, o desenvolvimento de vacinas em tempo recorde e a adoção de protocolos ainda mais rígidos nas unidades básicas de saúde, clínicas e hospitais, até a oferta de serviços de saúde a distância.

Algumas dessas mudanças já estavam em curso, mas foram aceleradas pela Covid-19, como explica Fábio Rossetto, diretor executivo financeiro do CCG Saúde.

– Viemos trabalhando há alguns anos em frentes de gestão tecnológica e no desenvolvimento interno de tecnologias voltadas para a área da saúde, e esses processos foram acelerados durante a pandemia. Algumas iniciativas, como o serviço de teleorientação, já eram oferecidas pelo CCG e foram ampliadas para atender ainda mais pessoas.

Teleatendimento reduz o risco de contaminação em salas de espera

O serviço de teleorientação do CCG Saúde segue os moldes do Reino Unido e de Israel, referências mundiais na área da saúde, e foi estruturado para realizar uma orientação prévia a pessoas com dúvidas, dores recentes ou pequenos desconfortos.

Segundo o diretor-executivo do CCG, dos 80 mil atendimentos (em média) ao mês, quase 8% começam no teleatendimento. E cerca de 40% dos atendimentos realizados em prontos-socorros e emergências poderiam ser evitados se houvesse um investimento em teleatendimento 24 horas, disponível para a população, que permitisse a mudança sociocultural, fazendo com que mais pessoas buscassem orientação remota antes de ir a uma clínica ou hospital.

– O atendimento é realizado por equipe especializada de enfermeiros, supervisionada por médicos. Os profissionais avaliam, de acordo com protocolos homologados internacionalmente, a gravidade dos sintomas relatados, e orientam sobre as condutas a serem adotadas, sobre necessidade de atendimento médico e de eventuais deslocamentos a emergências e hospitais. O serviço permite a diminuição de riscos e o aumento da segurança para o usuário – garante Rossetto.

A telemedicina é mais um serviço que traz segurança a médicos e pacientes. Seu uso foi autorizado pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) no início da pandemia. Três dias após a aprovação, o CCG já havia implementado os atendimentos médicos virtuais. De março de 2020 à primeira quinzena de janeiro de 2021, em torno de 70 mil pacientes conveniados ao CCG foram atendidos via telemedicina.

A realização de consultas virtuais ajuda a reduzir aglomerações desnecessárias em unidades de saúde, e as orientações, as receitas médicas e os atestados têm a mesma validade dos de uma consulta presencial.

Mais produtividade e comodidade com a implantação consultórios virtuais em empresas e delivery de medicamentos

Legado da pandemia: consultórios virtuais e delivery de medicamentos
Legado da pandemia: consultórios virtuais e delivery de medicamentos
(Foto: )

Além da recomendação de se manter o distanciamento social e de se evitar ambientes cheios, a telemedicina é uma ferramenta para se ganhar tempo, aumentando a produtividade nas empresas e reduzindo os custos.

Sabendo disso, durante a pandemia, algumas empresas conveniadas ao CCG passaram a oferecer aos colaboradores uma sala virtual de atendimento médico, montada dentro da própria empresa. Assim, é possível que a equipe realize consultas médicas com segurança e privacidade, sem perder tempo com o deslocamento nem se ausentar do trabalho.

Outro serviço pioneiro, criado pelo CCG durante a pandemia para trazer mais comodidade aos pacientes, é a automatização da transmissão de receitas médicas geradas em consultas online a farmácias conveniadas, permitindo que os pacientes recebam em casa os remédios prescritos (inclusive medicamentos oncológicos).

Inteligência artificial para diminuir intercorrências médicas

Pacientes com doenças crônicas, como obesidade, diabetes, problemas cardiorrespiratórios, hipertensão e câncer, possuem risco aumentado de complicações em decorrência da Covid-19 e, por isso, devem ter atenção redobrada e manter o isolamento social.

Para doentes crônicos, idosos e gestantes que precisam de acompanhamento diário, foi criado o monitoramento com uso de inteligência artificial. O serviço é totalmente digital (via SMS, e-mail ou ligação telefônica) e permite o disparo de lembretes de ações pré-determinadas, de acordo com dados fornecidos pelo próprio paciente.

– Com o monitoramento de pacientes crônicos, podemos acompanhar cada pessoa ao longo do dia. Um paciente diabético, por exemplo, alimenta o sistema com dados sobre sua glicemia quando acorda (e em outros momentos, se necessário), e a inteligência artificial ‘interage’ com orientação, perguntas e outras mensagens, a fim de que o paciente não descompense e mantenha os níveis de açúcar no sangue adequados – esclarece Fábio Rossetto.

Enquanto não podemos determinar o fim da pandemia e não sabemos como será o tão falado “novo normal”, podemos garantir que alguns aprendizados serão fundamentais para a oferta de serviços médicos e de saúde mais eficientes, para a ampliação do acesso a esses serviços.

Saiba mais sobre os serviços remotos a pacientes conveniados ao CCG Saúde

Colunistas