nsc
    dc

    Vacina

    Vacinação contra Covid vai iniciar pelas capitais, diz Secretaria de Saúde

    A previsão é que essa distribuição ocorra de três a cinco dias após a aprovação da Anvisa

    14/01/2021 - 08h35

    Compartilhe

    Folhapress
    Por Folhapress
    Frascos de vidro de vacina contra Covid
    Vacinação contra a Covid deve iniciar pelas capitais
    (Foto: )

    Sem dar data para o início da vacinação, o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Elcio Franco disse nesta quarta-feira (13) que a vacinação contra a Covid-19 iniciará de forma simultânea e apenas quando todas as capitais tiverem doses da vacina.

    A previsão é que essa distribuição ocorra de três a cinco dias após a aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), informa.

    — Por que a diretriz de começar todos ao mesmo tempo? Um mote é que ninguém vai ficar para trás. [...] É bom São Paulo ter o Butantan e para o Rio de Janeiro ter a Fundação Oswaldo Cruz, mas não podemos tratar brasileiros de forma diferente — disse o secretário, a ser questionado sobre a possibilidade de vacinação iniciar por São Paulo e Rio de Janeiro, onde ficam os dois laboratórios. 

    — São Paulo e Rio de Janeiro não estão perdendo, o Brasil está ganhando — adicionou.

    As doses, no entanto, devem demorar mais alguns dias para chegarem ao interior — daí a opção por iniciar quando as doses estiverem nas capitais, informa.

    — Vai começar pelas capitais, não posso esperar chegar em todos os 5.570 municípios, em 38 mil salas, para então 'startar' [começar] a vacinação. Vai começar quando chegar nas capitais, é essa a ideia — disse.

    Em meio a críticas de atraso para definir a estratégia, Franco evitou, em coletiva de imprensa, dar uma data exata para o início da vacinação. Segundo ele, a definição dependerá da decisão da agência sobre o aval ao uso emergencial de vacinas contra a Covid.

    > Receba notícias da NSC Total no WhatsApp, clique aqui

    Atualmente, a agência analisa dois pedidos para essa autorização. O primeiro foi feito pelo Instituto Butantan, para o uso de 6 milhões de doses da vacina Coronavac que foram importadas da China ainda no ano passado.

    Já o segundo pedido foi feito pela Fiocruz, que pede autorização para uso de 2 milhões de doses da chamada vacina de Oxford, previstas chegarem ao Brasil até o fim desta semana.

    — A Anvisa aprovando no domingo, vamos começar a distribuição para as capitais, e o material é loteado. Mas o simples aprovar da Anvisa não permitiria começar a vacinação. Haverá uma margem temporal para que a vacina chegue. Mas a vacina iniciará no mesmo horário em todo o Brasil — explicou o secretário.

    Questionado, Franco também não deu uma previsão exata dos primeiros grupos a serem vacinados. A previsão, diz, é que a estratégia inicie em idosos, profissionais de saúde e indígenas.

    > Confira o mapa de risco para coronavírus atualizado aqui

    Segundo o secretário, a pasta avalia diferentes variáveis para definir esses grupos. "De acordo com a quantidade de vacinas que viermos tendo, vamos abordando esses grupos", disse. "No caso dos profissionais de saúde, se tivermos quantidade menor, vamos priorizar aqueles na linha de frente."

    A expectativa, diz, é que a vacinação leve até 16 meses para ser finalizada em todo o país.

    Ainda de acordo com Franco, a pasta deve analisar a possibilidade de aumentar o intervalo de aplicação das doses para aumentar o público a ser vacinado.

    — No caso de alguns imunizantes, já está sendo uma prática em outros países aumentar o intervalo, desde que estudos possibilitem esse aumento. Há sim essa possibilidade — disse.

    Segundo o secretário, uma campanha para estimular a população a aderir à vacinação já foi finalizada — ele não informou, porém, quando a medida será divulgada.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Saúde

    Colunistas