As investigações envolvendo o suposto esquema de “rachadinha” no gabinete do vereador Nado (PSD), de Joinville, apontam que a corrupção servia para pagar funcionários informais, fora da lista de assessores parlamentares. As informações foram divulgadas em coletiva de imprensa da Polícia Civil na manhã desta sexta-feira (19).

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Joinville e região no WhatsApp

De acordo com o delegado Pedro Alves, responsável pelo caso, Nado utilizava o dinheiro dos assessores para pagar os funcionários informais, que seriam pessoas de confiança do vereador. Ao menos 20 pessoas são investigadas.  

— Não tem valor exato do que era tirado, o pagamento era feito de várias formas e valores. Pode ser Pix ou dinheiro — explica o delegado.

Veja fotos da operação

Continua depois da publicidade

Conforme Pedro, as investigações começaram em 2023, após uma denúncia anônima. Os casos de rachadinha, porém, teriam começado em 2021, no início do mandato de Nado. Ele ocupou a vaga deixada por Osmar Vicente (à época no Partido Social Cristão, que se incorporou Podemos), que teve o mandato cassado após o partido Democratas ter todas as candidaturas indeferidas pela Justiça Eleitoral.

O delegado, entretanto, não sabe se o político pedia ou obrigava os funcionários a pagar a “mesada”.

Segundo Pedro Alves, o vereador tinha pessoas responsáveis por abordar as pessoas e recolher o dinheiro. Além disso, houve apreensão de celular, computador e cadernos de anotações com os suspeitos.

Ele ainda ressalta que as investigações não descartam a participação de outros políticos da cidade no esquema de corrupção. 

Investigações em Joinville e Palhoça

Mais de 25 mandados foram cumpridos pela Polícia Civil durante a Operação Backbone, na última quinta-feira (18), que tem o vereador Nado como alvo. 

Continua depois da publicidade

Conforme o delegado Pedro Alves, um dos investigados atuava em Joinville, mas também tinha casa em Palhoça, onde foi cumprido um mandado de busca e apreensão.

— Todos os mandados foram em ambientes residenciais, exceto na Câmara — pontua. 

Conforme o delegado, as investigações devem continuar sobre o caso. 

O que diz o vereador

Em entrevista exclusiva à CBN Joinville, o vereador Nado disse que o caso “Não passa de um engano”. Por conta da investigação, a casa do vereador e a Câmara de Joinville foram alvos de mandados.

— Uma situação que você jamais imagina. O que eu acredito é que é ano eleitoral, nosso mandato está muito bem e sempre existem falsas denúncias. Vamos colaborar com a polícia. Abrimos a casa, dei a senha do meu celular, abrimos nosso gabinete, demos aparato total para investigar tudo. Agora, vamos esperar o desfecho. O problema vai ser reverter a situação porque acusar é fácil, agora dizer que era inocente — relatou o vereador.

Nado é vereador desde 2021

Continua depois da publicidade

Nado alega que é inocente e que ainda não tem mais informações sobre as denúncias. O vereador afirmou que só soube do teor da investigação, que seriam as rachadinhas, por meio da imprensa.

— Quando eles abrirem meu celular, vão ver quanto bem nós fazemos para as pessoas. Agora, muitos não fazem isso e querem passar a perna, quer derrubar aqueles que estão fazendo. Alguns para chegar ao sucesso passam a perna nos outros. Porque em seis meses a gente tem eleições municipais aqui em Joinville novamente — indicou Nado sobre o que teria motivado a investigação.

A atuação de intermediadores no esquema criminoso é o motivo pelo qual se denominou a operação policial como “backbone”, ou seja, espinha dorsal.

— Mas eu quero que a polícia investigue e realmente lá na frente vão ver que tudo não passou de um engano — disse o vereador.

Continua depois da publicidade

Câmara se manifesta

Em nota, a Câmara informou que a operação está sendo realizada em um único gabinete de vereado e não tem ligação com a estrutura do Poder Legislativo como um todo.

Veja nota da Câmara

“Nesta manhã (18/04), por meio da 3ª DECOR – Delegacia de Polícia Especializada no Combate à Corrupção, a Polícia Civil deflagrou, uma operação que apura a suposta prática de conduta popularmente conhecida como “Rachadinha”. Entre os locais está a Câmara de Vereadores de Joinville.

Informamos que a Operação está sendo realizada em um único gabinete de um vereado, em específico, e não tem ligação com a estrutura do Poder Legislativo como um todo.

Os Policiais estão no prédio da Câmara para a realização da operação Backbone e no cumprimento do dever o Legislativo está colaborando.

Continua depois da publicidade

Até o momento, são as informações a serem repassadas”.

Leia também

Como vai ficar prédio histórico de Joinville após reformas

Advogados e membros de facções criminosas voltam a ser alvo do Gaeco em SC

Joinville registra os primeiros casos de chikungunya da história da cidade

Destaques do NSC Total