nsc
nsc

Investigação

A estratégia de Moisés para provar que não tem ligação com a compra dos respiradores

Compartilhe

Ânderson
Por Ânderson Silva
13/10/2020 - 18h20
Governador Carlos Moisés da Silva
Governador Carlos Moisés da Silva (Foto: Mauricio Vieira/Secom)

A defesa do governador Carlos Moisés da Silva tem uma nova estratégia para desvinculá-lo da compra dos 200 respiradores da empresa Veigamed. No final de semana, Moisés divulgou trechos da investigação feita pela força-tarefa do Ministério Público (MP-SC) que, afirma, comprovariam suas alegações durante a investigação. Os apontamentos também serão feitos pelos advogados junto ao Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Comissão aprova segundo processo de impeachment contra Moisés, mas arquiva pedido contra vice

Em um dos trechos destacados pela defesa de Moisés, há uma troca de mensagens entre o delegado-geral da Polícia Civil, Paulo Koerich, e o ex-secretário de Estado da Saúde, Helton Zeferino, nos dias 22 e 23 de abril, antes da divulgação do esquema fraudulento pelo portal The Intercept Brasil.

Declaração do presidente do TCE contradiz tese da CPI contra Carlos Moisés

Na conversa, Zeferino coloca à disposição dos policiais civis o contrato que havia sido feito com a Veigamed como sinal de coloboração com a apuração. O governador vinha sendo questionado pelos membros da CPI dos Respiradores por ter supostamente mentido sobre as datas em que ficou sabendo da compra. Nas respostas enviadas à comissão da Alesc, ele cita o pedido para que a Polícia Civil investigasse o caso.

Como segundo apontamento está uma divergência no número que seria do celular do governador Carlos Moisés da Silva. Em documentos enviados recentemente pelo MP-SC ao STJ, consta do relatório da apreensão do celular de Leandro Barros, advogado de Biguaçu que chegou a ser preso, um contato intitulado como "Whats Gov Carlos Moisés". Ainda há a indicação de que as conversas teriam sido apagadas. No entanto, o governador diz que o número que consta no contato não é dele, mas sim de um celular usado para divulgação das ações do governo pela secretaria de Comunicação.

O que diz o MP-SC

Em respostas às críticas feitas por Moisés ao trabalho da força-tarefa, o MP-SC emitiu uma nota nesta terça-feira (13). Segundo o trecho, a parte referente ao celular "não foi utilizado pela Força-Tarefa O2 para requerer a remessa ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) da investigação sobre a compra emergencial pelo Estado de 200 respiradores".

O relatório mencionado, afirma o MP-SC, "apenas reflete os dados existentes no celular, não cabendo ao MP-SC emitir qualquer juízo de valor ou realizar a interpretação das provas que compete àquele Tribunal Superior". O envio dos documentos teria sido feito no dia 5 de outubro. Para finalizar, a promotoria relata que o conteúdo divulgado por Moisés não poderá ser usado na investigação já que o STF declarou nulas as buscas e apreensões contra Leandro Barros, em decisão da semana passada.

Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Mais colunistas

    Mais colunistas