nsc
    nsc

    Opinião

    Bolsonaro usa a vacina e a vida dos brasileiros para fazer política

    Compartilhe

    Ânderson
    Por Ânderson Silva
    21/10/2020 - 09h27 - Atualizada em: 21/10/2020 - 09h33
    Presidente da República, Jair Bolsonaro
    Presidente da República, Jair Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa/PR)

    Não há limites para o jogo político de Jair Bolsonaro. O presidente da República se utiliza do que for necessário para impor suas ideologias. O exemplo mais recente está na vacina contra o coronavírus. A discussão, que deveria ser técnica e científica, tornou-se ideológica por conveniência. Enquanto o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, traçou uma estratégia para obter os medicamentos produzidos por uma farmacêutica chinesa em parceria com o Instituto Butantan, de São Paulo, Bolsonaro joga contra e veta com sinais claros de um ato meramente político.

    Bolsonaro fala em traição e nega compra de vacina chinesa

    Até então, durante a pandemia, o presidente da República vinha exaltando medicamentos contestados por pesquisadores. Não havia comprovação de eficácia daquilo que Bolsonaro pretendia aplicar como solução. Em contradição, nesta semana, ele manifestou-se no Palácio do Planalto para destacar que não vai autorizar vacinas sem comprovação e estudos, algo que nem precisa ser discutido.

    Estudos da vacina contra o coronavírus do Instituto Butantan serão apresentados em SC

    Bolsonaro tem todo o direito de exigir as análises sobre as medicações a serem aplicadas no Brasil. Inclusive, deveria fazer o mesmo para as próprias indicações de uso de remédios durante a pandemia. Contudo, como gestor e autoridade, deveria ter cautela e discernimento. Misturar ideologia com a vida dos brasileiros é colocar em risco a população. Por mais que não fique tão claro, o que está em jogo nos bastidores são dois pontos sensíveis ao eleitor bolsonarista: China e João Doria, governador de São Paulo. O que explica a reação contundente de Bolsonaro.

    Mais uma vez, o presidente perde a oportunidade de comandar uma discussão séria e sem ideologias sobre a pandemia. Ao invés de vir à tona parar falar que a vacina não será obrigatória, cabe a um chefe de Estado a missão de mediar e conduzir o país ao enfrentamento com serenidade e embasamento. Indiscutivelmente, a imunização traz impactos a diversos setores, não somente à saúde.

    Impeachment de Moisés por compra de respiradores é aprovado por deputados

    A especialista e PHD em economia, Monica de Bolle, escreveu esta semana em seu perfil no Twitter: "Não há tema mais relevante para a economia hoje do que a saúde pública". Para um presidente que desde o começo da pandemia faz discursos de que saúde e economia estão no mesmo patamar, a imunização deveria estar entre as prioridades para trazer resultados aos dois lados. Sem ideologia e política.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas