nsc
    nsc

    Alerta

    "Cenário é preocupante", diz secretário de Agricultura sobre estiagem em SC

    Compartilhe

    Ânderson
    Por Ânderson Silva
    06/11/2020 - 07h13
    Perdas no campo já são contabilizadas por conta da estiagem em Santa Catarina
    Perdas no campo já são contabilizadas por conta da estiagem em Santa Catarina (Foto: Aires Mariga / Epagri)

    Os efeitos da estiagem em Santa Catarina começam a aumentar. Impactos nas principais culturas da produção agrícola catarinense estão nos números divulgados pela Epagri nesta quinta-feira: milho silagem tem previsão de perda acima de 60%, enquanto o milhão grão caiu 19,7%, entre outras quedas nos demais produtos. O secretário de Agricultura do Estado, Ricardo Gouvêa, diz que o "cenário é preocupante". A previsão é de que a condição de falta de chuva significativa se estenda até o começo de 2021.

    Estiagem volta a preocupar catarinenses

    Em reunião do gabinete de crise montado pelo governo do Estado, nesta quinta-feira, secretarias e a governadora Daniela Reinehr discutiram formas de amenizar os impactos a curto, médio e longo prazos. Ações como o transporte de água para as propriedades e crédito aos agricultores são prioridades. Caixas d'água e galões de 20 litros fazem parte da programação para atender as residências. O governo federal ajudará com o diesel para abastecer caminhões-pipa destinados aos animais nas regiões mais afetadas, como Oeste, Meio-Oeste e Extremo-Oeste.

    La Niña influencia o clima em SC; estiagem já preocupa

    Órgãos como as secretarias de Agricultura e do Meio Ambiente, a Defesa Civil e a Epagri já estão nos pontos com maiores problemas para ajudar os moradores e também orientar sobre a perfuração de poços artesianos. A pasta do Meio Ambiente vai trabalhar ainda com o incentivo ao armazenamento de água e cuidados como manciais e proteção das nascentes.

    Cidades de SC adotam rodízio de abastecimento de água por conta da estiagem

    Segundo o Gouvêa, a longo prazo, a meta é estabelecer o grupo permanente de discussão para estabelecer uma política estadual de recursos hídricos.

    - Tanto a Epgri Ciram como a Defesa Civil mostram que a precipitação (chuva) fica abaixo da média principalmente para Meio-Oeste, Oeste e Extremo-Oeste. Há ainda para a primeira quinzena de novembro, talvez, uma previsão de chuva, mas é pequena. Temos regiões em que o déficit de chuva é de 800. Precisava chover muito para recuperar essa perda - explicou o secretário sobre o cenário atual.

    Na próxima semana, há possibilidade de que a governadora Daniela Reinehr vá ao Oeste de Santa Catarina para uma reunião do gabinete de crise na região.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas