nsc
nsc

Opinião

Crônica de domingo: O preço da saúde mental

Compartilhe

Ânderson
Por Ânderson Silva
01/08/2021 - 09h01 - Atualizada em: 01/08/2021 - 09h21
Simone Biles trouxe à tona o que faz parte da realidade cotidiana das pessoas
Simone Biles trouxe à tona o que faz parte da realidade cotidiana das pessoas (Foto: Emmanuel DUNAND / AFP)

Um dos piores lados das redes sociais é a eterna sensação de que tudo está perfeito. As pessoas - e me incluo nisso - fazem verter um cenário de perfeição. São fotos de alegria, de festa, de viagens. Os "influencers", que se sustentam pelas redes sociais, então, trazem uma realidade digna de filme. É tudo lindo, nada a mudar. Mesmo assim, não consigo enxergar nisso a perfeição. Até porque, na realidade, aquele mundo na maioria das vezes é mentiroso.

Leia todas as Crônicas de Domingo

A realidade por trás dos celulares esconde um fator fundamental: a saúde mental. Ela está invisível nas redes sociais como se fosse um fator capaz de exclusão. E isso representa justamente o cenário social. O que se vê é um pré-julgamento de quem admite dificuldades psicológicas. Basta ver ao nosso redor. A pessoa admitir que faz terapia, por exemplo, já a torna motiva de brincadeiras.

O episódio da multicampeã olímpica americana Simone Biles veio para evidenciar essa infeliz realidade. A ginasta abriu mão de competir por mais medalhas de ouro por não se sentir bem mentalmente. E o que aconteceu? Aquilo que vemos diariamente. Ela foi criticada por não resistir, por não corresponder à expectativa.

Há quem argumente que ela é paga para enfrentar qualquer adversidade, como se dinheiro fosse sinônimo de uma barreira para problemas psicológicos. Não é. Casos como o de Simone Biles escancaram um abatimento que não distingue classe social. Ou há preço para a saúde mental?

A única distinção fica para as formas de encarar problemas psicológicos. Em um país desigual como o Brasil, há quem tenha formas mais fáceis de acesso a tratamentos. No cenário ideal, a saúde mental deveria ser prioridade governamental, assim como de livre acesso às pessoas, independentemente da renda.

O resultado de uma atenção prioritária aos fatores psicológicos talvez não se torne post em rede social, mas pelo menos vai traduzir uma realidade. Nada mais importa do que isso. O resto é apenas "firula".

Leia também:

Retrocesso impresso

A galera do fundão

Alta bagunça

Deixa de ser chato

O que os livros de história vão contar

Seleção de quem?

A epidemia do barulho

O quadro da sociedade brasileira é irreversível

O nascimento de uma mãe

Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Mais colunistas

    Mais colunistas