nsc
    nsc

    Análise

    Com erros e sem convicção, governo catarinense desmonta as próprias regras contra o coronavírus

    Compartilhe

    Ânderson
    Por Ânderson Silva
    28/12/2020 - 06h46 - Atualizada em: 28/12/2020 - 12h36
    Grupo do governo do Estado que decide as ações contra o coronavírus em Santa Catarina
    Grupo do governo do Estado que decide as ações contra o coronavírus em Santa Catarina (Foto: Mauricio Vieira/Secom)

    Impressionam a falta de convicção e os erros do governo de Santa Catarina nas medidas contra o coronavírus. Nos últimos dias, entre idas e vindas, o Estado conseguiu desmobilizar a maioria das suas próprias iniciativas. Pouco tempo depois de anunciar ações como o toque de recolher, o governo aparece para fazer ponderações e amenizar os regramentos, além de não aplicar uma fiscalização eficiente. Dessa forma, desmonta as próprias regras no momento de maior atenção com a doença por conta da temporada de verão.

    SC tem mais 32 mortes por Covid-19 e confirma 1,7 mil novos casos

    Há pelo menos três fatos concretos que demonstram a perigosa falta de convicção do governo de SC. O primeiro deles foi o “toque de recolher” anunciado em novembro. Pela regra, as pessoas seriam proibidas de circular entre a meia-noite e 5h. 

    Mas, poucas horas após a medida entrar em vigor, o Estado emitiu uma nota explicando que não se tratava de um toque de recolher, e sim uma recomendação para que as pessoas evitassem circular durante a madrugada. Na prática, a regra não existiu. Nem mesmo um balanço da fiscalização foi apresentado.

    Depois vieram as medidas mais recentes. Uma delas é a da obrigatoriedade do uso de máscara na praia. A portaria da Secretaria de Saúde determina que o equipamento precisa fazer parte da rotina do banhista, que pode retirá-lo somente para entrar na água. Mas o governador Carlos Moisés de Silva foi às redes sociais para dizer que as máscaras não serão exigidas nas praias.

    Por fim, a secretaria também havia estabelecido bandeiras com cores conforme a ocupação na areia. Numa aparente falta de comunicação interna, o Corpo de Bombeiros veio à tona para manifestar preocupação com o sistema por conta do mesmo modelo usado para sinalizar a condição da água do mar aos banhistas. Isso levou, inclusive, o governo a retirar o modelo de bandeiras das orientações oficiais sobre o coronavírus.

    O grande problema dos erros acima é a mensagem que fica para a população catarinense e os turistas. Um governo sem pulso firme abre brecha para a desobediência civil. Ao decidir poucos antes do começo da temporada pela liberação de boa parte dos setores, incluindo hotéis e pousadas, o Estado teve duas derrotas na Justiça e enxergou ainda menor a sua força no enfrentamento à pandemia.

    Hotéis de SC não vão cancelar reservas, diz sindicato

    Sem estratégia clara, com fiscalização falha e idas e vindas, o governo catarinense perde o protagonismo no momento em que mais precisaria estar na linha de frente. O preço dos erros pode ser caro caso o Estado não retome o comando com regras firmes e convictas.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas