nsc
    nsc

    Análise

    Festas com aglomeração do verão são alerta para o Carnaval 2021 de Santa Catarina

    Compartilhe

    Ânderson
    Por Ânderson Silva
    10/01/2021 - 08h14
    Aglomeração no Carnaval 2021 precisa ser inexistente
    Aglomeração no Carnaval 2021 precisa ser inexistente (Foto: Marco Favero/ Banco de Dados)

    O Réveillon e os primeiros dias do verão em Santa Catarina foram uma prova para o que está por vir no Carnaval. Os dois são os períodos de maior movimento no litoral catarinense. Naturalmente, turistas procurem locais seguros e com qualidade para passarem os feriados, o que é o caso daqui. Mas cabe aos gestores públicos estabelecer limites com foco na saúde de quem mora na região e daqueles que vêm de fora.

    Carnaval 2021 está cancelado em Florianópolis, Balneário Camboriú e Laguna por conta da pandemia

    No caso do feriado de Ano-Novo ficou claro que não há como controlar todos. Sempre haverá um grupo que desrespeitará as regras. É fato que o governo do Estado falhou na comunicação e nas medidas tomadas com aparente falta de convicção. Perdeu parte do controle também por uma fiscalização que se mostrou falha durante meses. Mas mesmo assim há uma parcela que não está nem aí para o regramento, por mais duro que ele fosse.

    Carnaval em Florianópolis: desfile de 2021 é cancelado, e festa de rua deve seguir o mesmo caminho

    Para o Carnaval, fica a lição. O Estado não pode ser protagonista por imagens que correram o país de aglomeração e shows sem qualquer tipo de cuidado com a proliferação do coronavírus neste verão. Não houve festa pública no Réveillon. E não haverá no Carnaval. Isso não impede, entretanto, os eventos privados. É aí que entram as autoridades e seus protocolos. Não pode existir “meia-medida”, e nem a secretaria de Saúde estabelecer a máscara como obrigatória nas praias e o governador falar outra coisa nas redes sociais.

    O feriado de Carnaval, que termina em 16 de fevereiro, tem um agravante: a volta às aulas está marcada para dois dias depois na rede pública estadual. Caso o vírus volte a se propagar, surtos pontuais podem ser gerados e causar o fechamento de unidades escolares que ficaram um ano inteiro sem atividades.

    Santa Catarina precisa colocar na prática que a educação é prioridade. E isso requerer uma fiscalização intensa dias antes. Imagens de festa e aglomeração não vão combinar com a estratégia de um Estado que optou para reabrir as escolas como forma de priorizar o ensino. O Carnaval será um bom teste para que os governos do Estado e municipais mostram que podem ter controle sobre o enfrentamento ao coronavírus.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas