nsc
    nsc

    Na Alesc

    Rito do processo de impeachment contra Moisés e Daniela será definido nesta sexta-feira

    Compartilhe

    Ânderson
    Por Ânderson Silva
    24/07/2020 - 06h12 - Atualizada em: 24/07/2020 - 10h28
    Vice-governadora, Daniela Reinehr, e governador, Carlos Moisés da Silva
    Vice-governadora, Daniela Reinehr, e governador, Carlos Moisés da Silva (Foto: Ricardo Wolffenbuttel/Secom)

    Uma reunião nesta sexta-feira vai definir o rito do processo de impeachment contra o governador de Santa Catarina, Carlos Moisés da Silva, e a vice-governadora, Daniela Reinehr. O encontro extraordinário da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa (Alesc) será no final da manhã, de forma virtual. Os parlamentares definirão os prazos e cada etapa prevista para a avaliação da denúncia de Ralf Zimmer Junior sobre a equiparação salarial dos procuradores do Estado.

    > Entenda o pedido de impeachment contra o governador Carlos Moisés

    > Bolsonaro critica Moisés e fala sobre prisão de bailarina do Faustão em SC

    Como há diferentes normas sobre o processo de impeachment no País, os deputados vão buscar unificar um modelo para ser usado como rito neste caso específico de Santa Catarina. Um dos encaminhamentos será a definição sobre a contagem de parte dos prazos. Inicialmente a ideia era que ela fosse feita em dias, mas a tendência é que ocorra em sessões. No caso da defesa dos denunciados, por exemplo, eles terão 10 sessões plenárias para se manifestar.

    O presidente da Alesc, Julio Garcia, deve despachar a decisão de abertura do processo até terça-feira. Depois, o primeiro secretário, Laércio Schuster Junior (PSB), entrega a intimação a Moisés, Daniela e ao secretário de Administração, Jorge Tasca, que também responde pela denúncia da equiparação salarial.

    Como a Assembleia faz três sessões por semana, a tendência é que as defesas sejam apresentadas na segunda quinzena de agosto. A partir disso, monta-se a comissão que vai analisar o caso, composta por nove deputados. Diferentemente das comissões permanentes, neste caso os membros da Mesa Diretora podem ser indicados pelos blocos partidários.

    > Quem é o autor do impeachment contra o governador Carlos Moisés

    O grupo terá 60 dias para discutir o tema e apresentar um projeto de decreto legislativo a ser analisado pelo plenário. O governador e a vice serão afastados em caso de dois terços de votos favoráveis, o que se representa por 27 parlamentares. Com 14 votos, Moisés e Daniela conseguem arquivar a denúncia.

    Ao avançar o pedido, ambos ficam fora dos cargos por até seis meses, prazo em que uma comissão formada por cinco deputados eleitos e cinco desembargadores (quatro sorteados e um o presidente do TJ-SC) vão julgar o caso. Para afastamento definitivo, são necessários sete votos. Do contrário, os dois retornam às funções.

    > Painel do Coronavírus: veja em mapas e gráficos a evolução dos casos em SC

    > O vírus está nas roupas, nos sapatos, no cabelo ou no jornal? Entenda

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas