nsc
nsc

Fique atento

Meu filho não fala, será autismo?

Compartilhe

Carol
Por Carol Bandeira
12/04/2021 - 07h00
Azul é a cor usada para lembrar o Dia de Conscientização do Autismo
Azul é a cor usada para lembrar o Dia de Conscientização do Autismo (Foto: Pixabay)

A fala é um grande marco do desenvolvimento, quando a criança não fala, indica que algo está errado. Pensando nisso, nesta semana, convidei a fonoaudióloga Ingrid Vieira para falar um pouco mais sobre esse assunto, aproveitando também que este é o mês de Conscientização Mundial do Autismo.

Quando a criança demosntra atraso na fala, na grande maioria das vezes é um atraso simples ou estimulação inadequada. Em diversos casos é o primeiro sinal para um posterior diagnóstico. Em muitos casos, a fala não será a prioridade inicial da terapia, pois para que a mesma ocorra, precisamos do desenvolvimento e amadurecimento em outras etapas, como o contato visual de qualidade, a imitação e o maior tempo de atenção, refere a especialista.

Após a detalhada avaliação fonoaudiológica, com o planejamento das intervenções semanais, a linguagem deve ser estimulada e a família orientada. Em diversos casos, as outras formas de comunicação, possibilitam uma maior estabilidade emocional para futuras etapas da terapia.

Falar é uma busca eterna de muitos pais de crianças com Apraxia de fala, Transtorno do Espectro Autista, Transtorno da Comunicação Social, entre outros.

> Constipação na gestação: alimentação saudável e consumo de água podem auxiliar na melhora do quadro

Uma das características do Transtorno do Espectro Autista (TEA) é alteração na linguagem, em muitos casos com atraso no desenvolvimento ou ausência da oralidade.

Algumas crianças que apresentam Transtorno do Espectro Autismo são verbais, o que significa que, aconteceram mudanças nos comportamentos por volta dos dois anos de idade, porém não deixou de falar. 

Ter condições mínimas de se comunicar por meio da fala é como se a criança estivesse um passo a diante daquelas que não se comunicam oralmente, diz Ingrid.

> Disruptores endócrinos: você pode estar intoxicando sua família sem saber

Sinais do Transtorno do Espectro Autista que precisamos observar:  

Apenas três deles presentes numa criança de um ano e meio já justificam uma suspeita para se consultar um médico neuropediatra ou um psiquiatra da infância e da juventude.

- Não manter contato visual por mais de 2 segundos;

- Não atender quando chamado pelo nome;

- Isolar-se ou não se interessar por outras crianças;

- Alinhar objetos;

- Ser muito preso a rotinas a ponto de entrar em crise;

- Não brincar com brinquedos de forma convencional;

- Fazer movimentos repetitivos sem função aparente;

- Não falar ou não fazer gestos para mostrar algo;

- Repetir frases ou palavras em momentos inadequados, sem a devida função (ecolalia);

- Não compartilhar seus interesses e atenção apontando para algo, ou não olhar quando apontamos algo;

- Girar objetos sem uma função aparente;

- Interesse restrito ou hiperfoco;

- Não imitar;

- Não brincar de faz-de-conta.

Com as intervenções fonoaudiológicas, acompanhamento com a escola e orientação a família, é possível desenvolver muitas habilidades da criança, inclusive a comunicação efetiva. Construir com ela mais atividades de vida diária, desenvolver autonomia e melhor qualidade de vida.

> Leia mais artigos da nutricionista Carol Bandeira

Carol Bandeira

Colunista

Carol Bandeira

Mãe de 3, especialista e uma das referências no país em nutrição materno-infantil. É empreendedora, docente e pesquisadora. Ajuda pais e nutricionistas a nutrir com amor as futuras gerações.

siga Carol Bandeira

Carol Bandeira

Colunista

Carol Bandeira

Mãe de 3, especialista e uma das referências no país em nutrição materno-infantil. É empreendedora, docente e pesquisadora. Ajuda pais e nutricionistas a nutrir com amor as futuras gerações.

siga Carol Bandeira

Mais colunistas

    Mais colunistas