Em uma manchete publicada no último fim de semana, o site Sensacionalista informou: “Humanidade não deu certo, diz Humanidade”. Uma piada com total fundo de razão. Depois de ver o novo filme de Martin Scorsese, “Assassinos da Lua das Flores”, não sobram mais dúvidas. A Humanidade e o ser humano são obras inviáveis, não há saída para nós. (Não é nem preciso falar sobre as guerras em curso pelo mundo, todas elas sinônimos da banalidade do mal, do terror, da estupidez, da desumanização.)

Continua depois da publicidade

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

“Assassinos da Lua das Flores” é um acontecimento épico. É o renascimento do cinema pós-pandemia. Tem três horas e 26 minutos. Tudo no lugar. Nada a cortar. Para Manohla Dargis, crítica do “The New York Times”, é uma “comovente obra- prima”. Uma preciosidade com Lily Gladstone, Robert De Niro, Leonardo DiCaprio, Jesse Plemons e tantos outros atores e atrizes de primeira grandeza.

(Aviso, spoiler de antipatia: se você tem que cuidar das crianças ou está preocupado com alguma apoquentação cotidiana, fique em casa, espere chegar ao streaming. É mais honesto com você e mais empático com quem está na sala escura para se divertir e admirar o filme. Simples assim.)

Um pequeno resumo. Baseado no livro homônimo do jornalista e escritor David Grann, o filme conta a história de indígenas da etnia Osage que ficam milionários graças aos poços de petróleo descobertos em suas terras, no Estado americano do Oklahoma. O povo Osage se torna o grupo mais rico do mundo. Usam roupas caras e elegantes, tem carros modernos, vivem em casas bonitas.

Continua depois da publicidade

César Seabra: Saudades do Bloco da Vaca e do petricor

A prosperidade e a desgraça começam a andar juntas em 1920. A intimidade e o horror da violência se misturam: os brancos se aproximam, casam com os osages, formam famílias, têm filhos. A ambição, a ganância, a crueldade e a traição falam mais alto. Os indígenas começam a ser assassinados, um a um. Envenenamento é uma das armas dos criminosos. O “ouro negro” vira pesadelo.

“Ao pesquisar os julgamentos, percebi que os crimes não eram entre pessoas que se odiavam. Em muitos casos, aconteciam entre pessoas que se amavam”, disse o diretor Scorsese em entrevista ao
“Fantástico”.

Uma curiosidade: a onda de homicídios contra os osages transformou-se no primeiro grande caso para a pequena agência que se tornaria o FBI, a polícia federal dos Estados Unidos. O embrião do FBI já era então comandado por um jovem astuto e muito ambicioso politicamente: J. Edgar Hoover.

“À medida que a notícia se espalhou, oportunistas chegaram às terras dos osages, procurando separá-los da sua riqueza por qualquer meio necessário – até mesmo assassinato”, afirma o FBI em sua página sobre o caso.

Continua depois da publicidade

Veja o trailer do filme “Assassinos da Lua das Flores”

Tragédias como esta dos osages (assim como todas as guerras) jamais poderão ser completamente explicadas ou entendidas. O escritor britânico Joseph Conrad acende um fósforo em meio à escuridão: “A crença em uma origem sobrenatural da maldade não é necessária. Homens sozinhos
são capazes de qualquer maldade”.

Leia outras colunas de César Seabra

A Humanidade e nós, com o que ainda nos resta de humanos, somos mesmo inviáveis e impossíveis.

Para refletir

“Todos os pecados têm origem num sentido de inferioridade, também chamado ambição.”

Cesare Pavese, escritor italiano

“A ganância humana não dá tréguas e desconhece limites”

Charles Bukovski, escritor alemão

“Coragem e covardia são um jogo que se joga a cada instante.”

Clarice Lispector, escritora brasileira

“A filosofia pode servir pra tudo, até mesmo para transformar assassinos em juízes.”

Albert Camus, escritor argelino em “O Homem Revoltado”

Leia também

Como um casal de SC ajudou a transformar reality da Netflix em fenômeno mundial

Bombeiros realizam o maior transporte aeromédico da história de SC

Parque aquático em Balneário Camboriú terá toboáguas radicais e praia artificial; veja fotos

Destaques do NSC Total