O Grupo OKEAN, que detém a licença de fabricação dos barcos de luxo da Ferretti Yachts no Brasil – a única fora da Itália – e também produz as embarcações OKEAN Yachts, comprou uma indústria em Porto Belo projetada para fabricar peças em fibra de vidro, que é o principal componente utilizado na estrutura dos barcos. Com a produção centralizada, a empresa, que tem sede em Itajaí, projeta um crescimento de 30% em 2024 – e isso inclui expansão no número de vagas de trabalho. Dos atuais 450 empregos diretos, são previstos mais de 800 até 2025.

Continua depois da publicidade

Receba as notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

O estaleiro investirá R$ 10 milhões considerando a aquisição e adaptação da nova planta industrial nos próximos seis meses. Com isto, além de aumentar a oferta de embarcações disponíveis, deve reduzir o tempo de fabricação e entrega.

A recente aquisição soma a outras aplicações feitas pelo Grupo OKEAN nos últimos meses, como o aumento do portfólio de embarcações, especialmente a linha de megaiates de luxo como é o caso da Ferretti Yachts 1000 – o maior iate produzido em série e em fibra de vidro no Brasil.

Fenômeno do mercado imobiliário de SC terá área pública de lazer paga por construtora

Continua depois da publicidade

Outra aposta do Grupo foi a criação de sua própria marina de serviços, a Marina YACHTMAX, única na América Latina com travel lift capaz de içar embarcações de até 220 toneladas, que correspondem a barcos de 170 pés ou até 50 metros de comprimento. Essas inovações demandaram R$ 8 milhões em investimentos. O parque fabril da empresa também aumentou recentemente, de 6 mil m² para 11 mil m².

– Todos os investimentos recentes do Grupo OKEAN refletem no desenvolvimento da empresa e no crescimento do setor no Brasil e geração de empregos. Também potencializam a náutica brasileira como vitrine industrial para o mundo – diz o CEO do Grupo OKEAN, Roberto Paião.

Concorrente de Balneário Camboriú em SC tem os imóveis com maior valorização do país

No ano passado, o Brasil exportou o equivalente a US$ 150 milhões em embarcações para todo o mundo – e Santa Catarina é o estado que mais envia barcos para o exterior.

Em 2022, o setor náutico nacional produziu mais de 4,1 mil embarcações, recolheu mais de R$ 900 milhões em impostos e gerou 100 mil empregos, segundo a Associação Brasileira dos Construtores de Barcos e seus Implementos (Acobar).

Continua depois da publicidade

Destaques do NSC Total