nsc
nsc

Análise

Bolsonaro diz que está se lixando para 2022, mas faz o contrário

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
07/04/2021 - 12h54 - Atualizada em: 07/04/2021 - 12h57
Bolsonaro com Onix Lorenzoni e João Rodrigues em Chapecó
Bolsonaro com Onix Lorenzoni e João Rodrigues em Chapecó (Foto: Leandro Schmidt, prefeitura de Chapecó)

O discurso do presidente Jair Bolsonaro em Chapecó, nesta quarta-feira, teve endereço certo. Foi embalado para alimentar o eleitorado mais fiel do presidente, aquele que permanece em sua base de apoio mesmo quando oscilam para baixo os índices de popularidade. Bolsonaro pode ter afirmado, textualmente, que está “se lixando” para 2022. Mas sua fala e seus gestos revelam o oposto. 

> Exemplo para Bolsonaro, Chapecó ainda tem UTIs lotadas e letalidade acima da média

> SC confirma novas 226 mortes por covid-19, maior número em um boletim diário

Estava tudo lá: os remédios milagrosos, a rejeição às medidas restritivas, o vitimismo, o suposto ‘combate à corrupção’ enquanto aparelha o Estado e a falta de recursos, temperados com algumas doses de preconceito – como no momento em que falou de pacientes com HIV como “classe de comportamentos sexuais diferenciados”. Um caldo de bolsonarismo e um discurso que, à primeira vista, soa desconexo. Mas é repleto de referências que falam a um público bem escolhido.

Para um presidente que diz não estar pensando nas eleições, é curioso que Bolsonaro tenha apelado à memória do eleitor questionando como seria “se o presidente fosse o Haddad”. Trouxe à conversa governos de esquerda, quase num ‘ruim comigo, pior com eles’. Teve espaço ainda para cutucar o Centrão, seu novo aliado, ao sugerir que o Ministério da Infraestrutura é “sempre cobiçado, vocês sabem por quem”. Serve para a retórica do governo ‘amarrado’, que não faz mais porque é impedido por forças externas. Nada mais que narrativa.

> Opinião: Bolsonaro em Chapecó prova que “tratamento precoce” funciona como narrativa política

Mas a visita também foi marcada por uma guinada de marketing, imposta pela vitrine nacional da pandemia em que o Brasil se colocou, e puxada pelo novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Saiu o general à frente da pasta, entrou o médico, figura mais adequada para – finalmente - defender o uso de máscaras repetindo o mantra de que é preciso, também, cuidar da economia. 

Bolsonaro, que já disse duvidar da eficácia das máscaras, usou a sua quase o tempo todo. De máscara também estava a governadora interina Daniela Reinerh – que, a propósito, não usava só uma, mas duas máscaras sobrepostas.

> Estado afrouxa decreto enquanto mais de 200 estão na fila de espera por UTI

O paradoxo bolsonarista aponta que o presidente anda se equilibrando na corda-bamba para alimentar seu eleitorado fiel, enquanto corre para descontar a perda de apoio em bases importantes, como o setor econômico. Fará isso ainda esta noite, quando se encontrará com empresários em São Paulo. Na pauta, a vacina, que o presidente ignorou em seu discurso em Chapecó

Hábil em administrar narrativas paralelas, o presidente veio a Santa Catarina para agitar sua base. Em São Paulo, procurará acalmar os mercados. É a nova cara do bolsonarismo, em sua versão 2.0. Coberto pela máscara está o velho discurso, eleitoreiro e belicoso.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas