nsc
    nsc

    Política

    Bolsonaro terá que se manifestar sobre o rito de impeachment de Moisés

    Compartilhe

    Dagmara
    Por Dagmara Spautz
    10/09/2020 - 15h50 - Atualizada em: 11/09/2020 - 06h29
    Governador Carlos Moisés e presidente Jair Bolsonaro
    Governador Carlos Moisés e presidente Jair Bolsonaro (Foto: Reprodução)

    A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), deu prazo de 48 horas para que o presidente da República, o Senado Federal, a Câmara dos Deputados e a Assembleia Legislativa prestem informações sobre o rito de impeachment dos governadores. Relatora da ação movida pela Procuradoria Geral do Estado (PGE), na quarta-feira (9), a ministra foi rápida ao despachar os pedidos e ressaltou que se trata de urgente e relevante problema jurídico-constitucional.

    > Carlos Moisés aciona STF sobre impeachment nos estados

    Embora se trate de uma formalidade, a rapidez com que a ação começou a caminhar animou os advogados que defendem o governador Carlos Moisés e a vice-governadora, Daniela Reinerh. A expectativa é que o Supremo se manifeste sobre o caso já na semana que vem.

    > Defesa de Moisés diz que novo pedido de impeachment é projeto político-partidário e contrário à democracia

    A notificação do presidente Jair Bolsonaro é para que ele responda qual a posição do Executivo sobre o caso. O mesmo ocorre com o Congresso Nacional. A ministra também pediu vistas à Advocacia Geral da União e ao Procurador-Geral da República, Augusto Aras.

    Renato Igor entrevista o Procurador Geral do Estado, Alisson de Bom de Souza

    A ação movida pela PGE é uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF), que questiona os ritos de impeachment nos estados. A manifestação do STF poderá interferir na maneira como os processos caminham em todos o país.

    Em comunicado oficial, o órgão informou que o objetivo da ação é “proteger a democracia e os mandatos de chefes do executivo que foram eleitos pelo voto popular”. A PGE, em nome do governador, alega haver insegurança jurídica nos processos, porque são regidos por uma lei de 1950, anterior à Constituição Federal de 1988.

    Entre os 14 questionamentos levantados pela PGE, estão a legitimidade de impor crime de responsabilidade à vice-governadora, a formação das comissões que analisam os processos de impeachment, critérios para eleição dos membros do Tribunal Especial Misto (com parlamentares e desembargadores) e se há suspeição pelo fato do presidente da Assembleia Legislativa, que é quem instaura o processo, ser o terceiro na linha de sucessão.

    Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas