nsc
nsc

Opinião

Com sombra dos prédios na areia Praia Brava pode virar “filial” de Balneário Camboriú

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
20/06/2021 - 14h59 - Atualizada em: 20/06/2021 - 15h05
Sombra de edifícios na Praia Brava, em Itajaí
Sombra de edifícios na Praia Brava, em Itajaí (Foto: Reprodução, Salve Brava)

A legislação permissiva, aliada à valorização e ao apetite da construção civil, têm tornado a Praia Brava, em Itajaí, a “bola da vez” do mercado imobiliário. Mas essa combinação tem um preço: prédios mais altos do que o previsto pelo Plano Diretor causam sombra na restinga e na faixa de areia, e tornam o bairro cada vez mais parecido com a vizinha Balneário Camboriú, onde os edifícios apagam o sol na Praia Central.

Lei dobra tamanho dos prédios na Praia Brava em Itajaí

O assunto será debatido em uma audiência pública nesta segunda-feira (21) na Câmara de Vereadores de Itajaí, quando será discutido um projeto de lei da vereadora Anna Carolina Martins (PSDB) que proíbe construções que causem sombreamento na Praia Brava. A reunião está marcada para 19h, e será transmitida online.

Originalmente, o Plano Diretor da Praia Brava permite apenas prédios baixos. Na beira-mar, a lei estabelece térreo mais dois – aumentando gradativamente a cada quadra, sem passar de seis pavimentos. Mas as leis do solo criado e da outorga onerosa, que passaram a valer em 2016, dobraram o número de andares permitido.

Construção de mais prédios no Canto do Morcego em Itajaí entra na pauta do Conselho Territorial

Na prática, a construtora interessada paga ao município para construir edifícios mais altos do que permite o Plano Diretor – ocorre que, diferente das regras do Plano Diretor, essa mudança foi aprovada pelo Legislativo sem ter sido debatida com a sociedade e foi alvo de ações judiciais, por ter sido votada às pressas.

Sombra dos edifícios na Praia Brava
Sombra dos edifícios na Praia Brava
(Foto: )

Balneário Camboriú é a ‘praia que perdeu o sol’ em publicação internacional

A possibilidade de construir prédios mais altos na Praia Brava, que aumentam o potencial de retorno econômico nos empreendimentos, aguçou o interesse do setor imobiliário - especialmente diante da escassez de terrenos em Balneário Camboriú. Os projetos que solicitam outorga onerosa são muitos, e têm passado sem dificuldade pelo Conselho de Gestão Territorial.

A nova leva de empreendimentos já causa impacto sobre o tempo de sol na praia. Às 15h, alguns pontos da Brava já estão sombreados – mesmo no verão. Um impacto que interfere sobre a vocação da praia para o turismo sol e mar.

Após fama de praia sem sol, Balneário Camboriú começa obras para alargar a faixa de areia

O assunto fica mais espinhoso diante da proposta de novo Plano Diretor que tramita em Itajaí. O projeto, que está em discussão, é ainda mais permissivo e autoriza prédios de até 17 andares na Praia Brava.

Em Balneário Camboriú, onde os arranha-céus cobriram o sol, o alargamento, que busca devolver à praia parte do espaço “engolido” ao longo do tempo, aumentará um pouco o tempo de sol na areia. A obra custará R$ 66 milhões.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

Leia também:

Médico de SC é convocado por engano pela CPI da Covid no lugar de “cloroquiner”

Como mudanças na Lei de Improbidade podem ser "estouro da boiada" no controle da corrupção

Ação do Estado que questiona leilão dos aeroportos é suspensa no STF

Saúde recomenda restrições às prefeituras de SC diante de piora da Covid-19

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas