nsc
nsc

Educação

Confusão no Enem em SC está na mira do Ministério Público

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
24/01/2021 - 10h03
Enem foram impedidos de fazer a prova na primeira etapa domingo passado
Enem foram impedidos de fazer a prova na primeira etapa domingo passado (Foto: Divulgação)

O Ministério Público Federal pediu informações à reitoria da UFSC sobre as tratativas para o uso das dependências da universidade para a realização da prova do Enem. Na primeira etapa da prova, domingo passado, candidatos foram impedidos de fazer o exame porque a ocupação das salas havia atingido o limite máximo, diante das restrições impostas pela pandemia.

> Enem 2020: Tudo que você precisa saber sobre a segunda prova

Entre outros detalhes, o procurador da República Eduardo Herdt Barragan questionou o reitor Ubaldo Balthazar sobre a ocupação das salas de aula. O gabinete da reitoria já enviou resposta. Informou que a Cesgranrio, contratada pelo Inep para a execução das provas, requisitou cinco unidades da UFSC: o Centro Socioeconômico (CSE), Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFH), Centro de Comunicação e Expressão (CCE), Centro de Ciências da Saúde (CCS) e Espaço Físico Integrado (EFI).

> Enem conta com abstenção de 30% para obedecer o distanciamento entre candidatos

No dia 13 de janeiro, ao receber as planilhas de ensalamento, a UFSC observou que a ocupação das salas de aula era de 80%, o dobro do que havia sido previsto pela universidade. “No mesmo dia 13, por meio inicialmente de contato telefônico com o INEP, a UFSC alertou para os riscos quanto ao excesso de candidatos em sala. A informação repassada pelo diretor do INEP, ao telefone, foi a de que seriam mantidos os 80% de ocupação, uma vez que o INEP previa um índice de ausência em torno de 30% dos candidatos. Após o contato telefônico, tanto o INEP quanto a Cesgranrio receberam ofício da UFSC reiterando o risco e solicitando, àquela altura, que houvesse remanejamento dos espaços na UFSC. Nem o INEP e nem a Cesgranrio responderam ao ofício da UFSC”.

> Enem 2020: o que fazer se o participante estiver com Covid-19

Somente no dia da prova, domingo passado, a reitoria da UFSC soube que representantes do Inep haviam comparecido aos locais de prova na universidade e orientado os aplicadores das provas a reduzir a ocupação das salas. Essa medida resultou no impedimento de acesso a uma parte dos candidatos.

A confusão não foi exclusividade da UFSC. De acordo com o próprio Inep, a restrição de acesso por superlotação de salas de aulas ocorreu em pelo menos 11 locais de provas no país – o que aponta para indícios de que, de fato, a organização apostou nas abstenções e não levou em conta que o ensalamento é feito previamente.

Ação na Justiça

Em outra frente, uma ação civil pública movida pelo advogado catarinense Gabriel Kazapi, que representa a Associação Brasileira dos Estudantes de Educação a Distância (ABE-EaD), pediu que o Inep facilitasse aos candidatos que foram impedidos de fazerem a primeira fase o acesso à segunda etapa do exame, que ocorre neste domingo.

Essa possibilidade foi autorizada aos estudantes, se desejarem. Já a primeira fase da prova será aplicada em fevereiro.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas