nsc
    nsc

    Análise

    Desafio de Daniela será aliar bolsonarismo e coalizão

    Compartilhe

    Dagmara
    Por Dagmara Spautz
    26/10/2020 - 05h00 - Atualizada em: 26/10/2020 - 06h03
    Governadora Daniela Reinehr
    Governadora Daniela Reinehr (Foto: Patrick Rodrigues / NSC Total)

    A semana começa com muitas dúvidas, ainda, sobre qual será a 'cara' do governo Daniela Reinehr (sem partido). Nesta terça, a governadora receberá um grupo de bolsonaristas vindos de Brasília, que virá ajudar a criar a marca do governo interino. A tendência é que a governadora tenha que optar entre a governabilidade e a fidelidade aos princípios mais caros ao grupo que a levou ao poder.   

    > Conheça Daniela Reinehr, a primeira mulher a governar Santa Catarina

    > Tribunal do impeachment afasta Carlos Moisés é livra Daniela Renehr

    A caneta de governadora foi entregue a Daniela Reinehr pela decisão do deputado Sargento Lima (PSL), que a livrou do afastamento contrariando o acordo prévio do Legislativo. Muito se comentou nos bastidores sobre as motivações de Lima - falou-se, inclusive, de um suposto telefonema do presidente Jair Bolsonaro ou da ministra Damares Alves. Pura especulação.

    > Nota oficial de Daniela Reinehr fala em união e faz aceno aos poderes

    A ligação de fato recebida pelo deputado foi a da advogada do presidente, Karina Kufa, que integrou a banca de defesa de Daniela. Ela ligou para agradecê-lo, logo depois que ele proferiu o voto no Tribunal de Julgamento.

    O deputado diz que tomou a decisão sozinho, atendendo ao pedido de bolsonaristas catarinenses e sem ouvir a bancada do PSL, que votou em peso para impedir Daniela junto com Moisés em outras oportunidades. Com a vice elevada ao posto de governadora, no entanto, o cenário é outro.

    O colega Anderson Silva destacou a pressão que já pesa sobre Daniela por parte da base bolsonarista na Alesc. Parlamentares como Jessé Lopes e Ana Campagnolo, que representam a ala mais ideológica do partido, devem seguir forçando uma guinada do governo a essas pautas.

    Daniela sabe que deve a caneta ao voto do PSL no Tribunal de Julgamento. Mas também sabe, a partir do exemplo de Moisés, que não se governa sem base e bênção no Legislativo.

    A visita que fez ao presidente da Alesc, Júlio Garcia, antes do Tribunal de Julgamento - assim como a nota oficial que divulgou neste domingo (25), falando em união - apontam para uma inclinação ao consenso. É um movimento similar ao que fez Bolsonaro, ao se aproximar do Centrão.

    Daniela terá que escolher entre aliar-se a pautas mais extremistas, ou buscar a coalizão e correr o risco de ser chamada de 'traidora' entre uma parte dos que lhe entregaram o poder.

    A deputada federal paulista Carla Zambelli afirmou, nas redes sociais, que o governo Daniela será o primeiro do Aliança, o partido bolsonarista que ainda não vingou. A conferir o peso que essa perspectiva trará ao governo interino.

    Leia mais:

    Entenda o único voto de desembargador pelo avanço do impeachment em SC

    Como ficam o governo e os processos de impeachment a partir desta semana

    Upiara: Moisés e Alesc derrotados em noite de afirmação dos desembargadores

    Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas