nsc
nsc

Meio ambiente

Algas em Balneário Camboriú: desvendado o mistério dos organismos que cobrem a areia

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
29/12/2020 - 08h17 - Atualizada em: 29/12/2020 - 15h59
Fenômeno dos briozoários nesta terça em Balneário Camboriú
Fenômeno dos briozoários nesta terça em Balneário Camboriú (Foto: Luiz Carlos Souza)

A Praia Central de Balneário Camboriú amanheceu coberta pelo fenômeno das arribadas nesta terça-feira (29). São massas de microalgas e briozoários, organismos marinhos que formam colônias, e que são carregados pelas ondas até a faixa de areia — especialmente no verão. A ocorrência, que há anos intriga moradores e turistas, desta vez tem resposta da ciência.

> Balneário Camboriú seguirá regras do Estado para bares e restaurantes, diz prefeito

Um trabalho de dois anos, desenvolvido por pesquisadores da Universidade do Vale do Itajaí (Univali) e coordenado pelo professor Charrid Resgalla Junior, apurou que o fenômeno é natural e ocorre, pelo menos, desde a década de 1930. As arribadas são o resultado de uma combinação entre as características geográficas da Praia Central e condições ideais de temperatura, luminosidade, movimento das ondas e oferta de nutrientes. 

> Justiça nega recurso do governo sobre flexibilizações de medidas contra Covid-19 em SC

> Hotéis de SC não vão cancelar reservas, diz sindicato

A ocorrência tem sido relatada com mais frequência - e em maior quantidade - desde 2003. O objetivo da pesquisa era descobrir onde a 'mancha' se forma, e o que interfere em seu ciclo de vida. O levantamento identificou que os organismos ficam na coluna d´água, antes da arrebentação – o que significa que não se soltam de alguma colônia ao longo da costa, como se cogitava. Dependendo das correntes marítimas, eles são levados até a praia.

Fotos ajudaram pesquisadores

A pesquisa contou com mais de 20 horas de mergulho, análise em laboratório do material que chega à praia, e levantamento histórico. Fotos antigas mostraram que o fenômeno já era registrado em Balneário Camboriú em 1938. Imagens da década de 1970 também identificam as arribadas.

A diferença é que, aparentemente, elas ocorriam em menor quantidade. Para os pesquisadores, o aumento na disponibilidade de matéria orgânica na água, resultado da urbanização de Balneário Camboriú, foi o que propiciou o crescimento das microalgas e briozoários na costa. Isso está relacionado, por exemplo, a questões sanitárias.

A secretária Municipal de Meio Ambiente, Maria Heloísa Lenzi, diz que a maior oferta de nutrientes está relacionada à quantidade de matéria orgânica que é carregada, por exemplo, pela água da chuva para dentro do mar.

- Havia problema de saneamento, especialmente na região do Pontal Norte. Mas isso foi resolvido com a instalação da nova rede – avalia.

Outra hipótese levantada pela secretária é a presença de fertilizantes na água do mar – uma possibilidade que vem sendo pesquisada em todo o mundo, para tentar explicar o aumento na proliferação de algas nos oceanos. Em Balneário Camboriú, isso poderia ser resultado da atividade agrícola que ocorre ao longo do Rio Camboriú.

Dados quantitativos sobre o material recolhido durante o ano todo pelas equipes de limpeza indicaram que houve redução na quantidade de microalgas e briozoários recolhidos, o que pode apontar para uma melhoria no controle.

Hipóteses afastadas

A pesquisa também afastou duas hipóteses que haviam sido levantadas, nos últimos anos, para tentar explicar as arribadas. Uma delas era a de que houvesse influência das dragagens do Rio Itajaí-Açu, na região do Porto de Itajaí. Havia uma suspeita de que o bota-fora – local onde são depositados os sedimentos da dragagem – fosse a causa para a proliferação dos briozoários.

Também foi afastada a hipótese de que os navios de cruzeiro, que ancoram em Balneário Camboriú, tenham aumentado a ocorrência do fenômeno. A pesquisa não encontrou relação entre a proliferação das microalgas e dos organismos e a chegada dos transatlânticos.

> Sombra na praia: alargamento vai aumentar período de sol em Balneário Camboriú

Com as respostas em mãos, a Secretaria de Meio Ambiente de Balneário Camboriú vai distribuir material informativo nas praias, para explicar aos veranistas o fenômeno. 

A dúvida que permanece, no entanto, é em relação às obras de alargamento da faixa de areia, que devem iniciar em março. Ainda não há certeza sobre a interferência que o engordamento da praia terá sobre a ocorrência dos organismos na orla de Balneário Camboriú. A secretária de Meio Ambiente acredita que a incidência deve diminuir, mas informou que as arribadas serão monitoradas ao longo da obra.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas